Sem categoria

Seu intestino e os probióticos

A alimentação é um fator indispensável para a vida e a saúde e há muito tempo se tem investigado seu papel na prevenção, tratamento e auxílio na cura de diversas doenças. A alimentação é a maneira de se obter nutrientes indispensáveis para o crescimento e desenvolvimento, assim como a manutenção do metabolismo normal. Entretanto, somente a ingestão do alimento não garante que seus nutrientes estarão disponíveis para o organismo. A biodisponibilidade dos nutrientes está relacionada com a qualidade e quantidade de nutrientes da dieta, assim como com a eficiência da digestão e absorção. Para que a digestão e absorção ocorram de maneira adequada, é necessário que o intestino esteja saudável e funcionando bem.
A saúde e a eficiência do intestino dependem de vários fatores, mas um dos principais é o equilíbrio entre as bactérias benéficas e as bactérias potencialmente danosas que compõem a microflora intestinal. Os hábitos alimentares, o estilo de vida, o estresse e o uso de medicamentos podem gerar desequilíbrio nesta microflora, chamado de disbiose intestinal, que pode ter sintomas que vão desde os desconfortos gastrointestinais como flatulência excessiva, obstipação e má digestão até alterações de humor, acne e doenças inflamatórias.
Para a prevenção e tratamento desta disbiose, temos disponíveis alimentos funcionais como os probióticos, prebioticos e os simbióticos.
Os probióticos são microorganismos que após a ingestão irão colonizar o intestino grosso, produzindo substancias benéficas e competindo com as bactérias nocivas que podem estar presentes em excesso. O uso dos probióticos está relacionado com melhora em vários aspectos fisiológicos: melhora do sistema imune, melhora da saúde das células intestinais, melhora da intolerância a lactose, diminuição do colesterol sanguíneo, prevenção do câncer de cólon, prevenção e tratamento de diarréias, melhora da obstipação, produção de vitaminas do complexo B e melhora da saúde da mulher, por melhorar a flora vaginal. Os microorganismos mais comumente usados como probióticos são os lactobacilos e as bifidobactérias, que podem estar em alimentos como iogurtes e leites fermentados ou sob a forma de sachês.
Os prebióticos são fontes alimentares, normalmente carboidratos, que passam pelo trato intestinal sem sofrer digestão. Ao chegar no intestino grosso, são usados como alimentos pelas bactérias benéficas, que podem se multiplicar e exercer melhor o seu papel na formação de uma microflora intestinal mais saudável.Os prebióticos também trazem benefícios como controle do colesterol, controle da glicemia, melhora do trânsito intestinal, prevenção do câncer e aumento da absorção de minerais como o cálcio. Os prebióticos são encontrados em alimentos como banana, alho e cebola, mas em pequenas quantidades. Os prebióticos mais comuns são a inulina e o frutooligossacarídeo (FOS).
Os simbióticos são, então, a combinação dos probióticos e prebióticos em um só produto. Assim, aumentam as chances de sobrevivência dos microorganismos e propiciam uma melhor colonização e proliferação das bactérias.
Como foi visto os probióticos, os prebióticos e os simbióticos podem ajudar de diversas formas. Consulte um nutricionista para que você use o que melhor se adeque ao seu perfil.
intestino_duvidoso

A alimentação é um fator indispensável para a vida e a saúde e há muito tempo se tem investigado seu papel na prevenção, tratamento e auxílio na cura de diversas doenças. A alimentação é a maneira de se obter nutrientes indispensáveis para o crescimento e desenvolvimento, assim como a manutenção do metabolismo normal. Entretanto, somente a ingestão do alimento não garante que seus nutrientes estarão disponíveis para o organismo. A biodisponibilidade dos nutrientes está relacionada com a qualidade e quantidade de nutrientes da dieta, assim como com a eficiência da digestão e absorção. Para que a digestão e absorção ocorram de maneira adequada, é necessário que o intestino esteja saudável e funcionando bem.

A saúde e a eficiência do intestino dependem de vários fatores, mas um dos principais é o equilíbrio entre as bactérias benéficas e as bactérias potencialmente danosas que compõem a microflora intestinal. Os hábitos alimentares, o estilo de vida, o estresse e o uso de medicamentos podem gerar desequilíbrio nesta microflora, chamado de disbiose intestinal, que pode ter sintomas que vão desde os desconfortos gastrointestinais como flatulência excessiva, obstipação e má digestão até alterações de humor, acne e doenças inflamatórias.

Para a prevenção e tratamento desta disbiose, temos disponíveis alimentos funcionais como os probióticos, prebioticos e os simbióticos.

Os probióticos são microorganismos que após a ingestão irão colonizar o intestino grosso, produzindo substancias benéficas e competindo com as bactérias nocivas que podem estar presentes em excesso. O uso dos probióticos está relacionado com melhora em vários aspectos fisiológicos: melhora do sistema imune, melhora da saúde das células intestinais, melhora da intolerância a lactose, diminuição do colesterol sanguíneo, prevenção do câncer de cólon, prevenção e tratamento de diarréias, melhora da obstipação, produção de vitaminas do complexo B e melhora da saúde da mulher, por melhorar a flora vaginal. Os microorganismos mais comumente usados como probióticos são os lactobacilos e as bifidobactérias, que podem estar em alimentos como iogurtes e leites fermentados ou sob a forma de sachês.

Os prebióticos são fontes alimentares, normalmente carboidratos, que passam pelo trato intestinal sem sofrer digestão. Ao chegar no intestino grosso, são usados como alimentos pelas bactérias benéficas, que podem se multiplicar e exercer melhor o seu papel na formação de uma microflora intestinal mais saudável.Os prebióticos também trazem benefícios como controle do colesterol, controle da glicemia, melhora do trânsito intestinal, prevenção do câncer e aumento da absorção de minerais como o cálcio. Os prebióticos são encontrados em alimentos como banana, alho e cebola, mas em pequenas quantidades. Os prebióticos mais comuns são a inulina e o frutooligossacarídeo (FOS).

Os simbióticos são, então, a combinação dos probióticos e prebióticos em um só produto. Assim, aumentam as chances de sobrevivência dos microorganismos e propiciam uma melhor colonização e proliferação das bactérias.

Como foi visto os probióticos, os prebióticos e os simbióticos podem ajudar de diversas formas. Consulte um nutricionista para que você use o que melhor se adequa ao seu perfil.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.