DHEA, suplemento ou anabolizante?

dheaDHEA ou desidroepiandrostenediona tem sido largamente procurada tanto por pessoas fisicamente ativas quanto pela população como um todo, gerando preocupação acerca de sua segurança e eficácia entre a comunidade de medicina do esporte. A DHEA, um hormônio esteroide relativamente fraco, é sintetizada a partir do colesterol, principalmente pelo córtex suprarrenal. Uma pequena quantidade desse hormônio deriva naturalmente da testosterona ou de outros esteroides anabólicos.

A quantidade que o corpo produz DHEA ultrapassa todos os outros esteroides conhecidos com suas maiores concentrações no cérebro. Sua estrutura química é muito semelhante aos hormônios masculinos e femininos (testosterona e estrogênio).

Os defensores do uso dessa substância alegam que ela prolonga a vida, protege contra o câncer, doenças cardíacas, diabetes e osteoporose, melhora impulso sexual, facilita o ganho de massa magra e reduz gordura abdominal, melhora do humor e reforça a imunidade contra várias doenças. . Isso pode ser encontrado em diversas páginas na internet. O problema é que nem tudo são flores ou verdades…

O COI (Comitê Olímpico Internacional) colocou a DHEA na lista de substâncias proibidas com nível zero de tolerância. Existem preocupações acerca dos possíveis efeitos deletérios sobre os lipídeos sanguíneos, a tolerância a glicose e a saúde da próstata. O principal motivo é porque esses efeitos não costumam aparecer imediatamente, e sim ao longo do tempo. A DHEA pode ser encontrada em muitas lojas de produtos naturais ou em algumas lojas de suplementos de forma ilegal, e é ai que mora o perigo, seu uso indiscriminado sem acompanhamento médico.

Estudos mostraram que níveis elevados de DHEA estão relacionados com risco de morte por cardiopatia, principalmente em mulheres. A conversão dela em testosterona no corpo pode promover em mulheres crescimento de pelos faciais e alterações na função menstrual. Outros estudos mostram que DHEA reduz HDL-C, o que eleva o risco de doenças cardiovasculares. Existem relatos na literatura conflitantes que relacionam a desidroepiandrostenediona com risco de câncer de mama.

Devemos ter cuidado ao receber indicação de “suplementos” milagrosos por leigos, pois existem vários riscos a saúde com o uso desse hormônio disfarçado de suplemento sem acompanhamento médico. Fiquem atentos a essas armadilhas.

 

Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail      nutricao@sncsalvador.com.br     .

Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor.

Curta a nossa página no Facebook e não perca nenhuma notícia e/ou promoção

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 pensamentos em “DHEA, suplemento ou anabolizante?”