Exercícios em jejum: Bom ou ruim?

jejumA perda de peso é um objetivo muito comum, pois além da mudança estética, ela proporciona vários benefícios, como redução da pressão arterial e aumento da captação de glicose pela maior sensibilidade à insulina, tornando a prática de exercícios um auxílio no controle glicêmico de pacientes portadores de Diabetes mellitus, por exemplo.

Sabe-se que a presença ou ausência de alimentos influencia drasticamente o metabolismo de carboidratos, lipídios e proteínas. E ainda, que cada tecido tem características metabólicas próprias. No período em jejum, a degradação de glicogênio, a proteólise muscular e lipólise são responsáveis por manter o aporte energético no organismo.

Apesar de não haver consenso a respeito dos efeitos do jejum sobre a oxidação de nutrientes, este tem sido utilizado, associado ou não a dietas de restrição de carboidratos, como estratégia para aumentar a oxidação de lipídios durante o exercício e promover alterações da composição corporal em indivíduos praticantes de atividades físicas. Entretanto, alguns autores sugerem que a alteração da composição corporal obtida com o jejum é proveniente da redução da massa magra, em sua maior parte, e que as variações de peso observadas se referem à perda de água principalmente, assim como sensível diminuição do desempenho.

Em um estudo realizado por De Bock e colaboradores, publicado no Journal of Physiology em 2005, observou-se que o jejum noturno com duração de 11 horas aumenta a degradação de triacilglicerol intramuscular (TGMI) durante o exercício em um cicloergométrico, entre 50-75% do VO2máx, quando comparado com indivíduos que fizeram a ingestão prévia de um café da manhã à base de carboidratos. Além disso, a quebra do TGMI foi reduzida na presença de carboidratos; o exercício em jejum aumentou a resposta insulínica pós-exercício (em resposta ao consumo de CHO), que por sua vez contribuiu para a ressíntese de glicogênio. Por fim, o consumo de CHO antes, durante ou após o exercício torna-se um potente inibidor do gene que expressa a UCP3 (proteína desacopladora 3) no músculo esquelético.  Onde esta última parece estar envolvida na proteção da mitocôndria contra o acúmulo de ácidos graxos dentro da matriz mitocondrial, a produção excessiva de espécies reativas de oxigênio (pró-oxidantes) e a peroxidação lipídica. Essas funções, dentre outras, podem preservar o equilíbrio da célula, mesmo com o aumento da oxidação de ácidos graxos induzidos pelo jejum.

A prática de exercício físico em jejum é condenada por diversos profissionais, pois estes alegam que o indivíduo pode cursar com uma hipoglicemia durante o treinamento, o que aumenta o risco de cefaleia, perda da coordenação motora e até mesmo o coma. Pensando nisso, Codade e colaboradores, publicaram na revista Fitness e Performance em 2005, um estudo que objetivou monitorar, antes e durante um exercício de baixa intensidade (cicloergométrico, 1h de duração, a 50-60% VO2max), a resposta da glicemia sanguínea ao exercício realizado em jejum (12h) e com o consumo prévio de dois tipos diferentes de café da manhã. Os autores concluíram que o consumo de café da manhã e o estado de jejum não modificaram as variáveis controladas neste trabalho, tais como frequência cardíaca, pressão arterial, parâmetros subjetivos, lactato sanguíneo, peso corporal e glicemia sanguínea durante o exercício.

 

Diante do exposto, pode-se dizer que a prática de atividade física em jejum não pode ser completamente censurada. Isso porque, não há estudos suficientes que elucidem esse questionamento.  Contudo, parece que um exercício de moderada intensidade (≈75% do VO2máx.) realizado em jejum induz a uma maior oxidação lipídica. Motivo esse que poderia justificar o fato de muitos indivíduos relatarem, empiricamente, perda ponderal. Se orientada e devidamente monitorada, essa prática poderia ser mais uma alternativa para aqueles que almejam a perda de peso. Por isso, antes de modificar sua rotina de treinamentos procure um profissional de Educação Física para que juntos encontrem a melhor estratégia para seus objetivos.

 

Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail      nutricao@sncsalvador.com.br     .

Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor.

Curta a nossa página no Facebook e não perca nenhuma notícia e/ou promoção

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *