Sem categoria

Síntese Proteica

sintese proteicaAs proteínas são moléculas formadas endogenamente através de uma cascata de reações no nosso organismo. A regulação dessa produção perpassa principalmente pelo mTOR, o alvo da rapamicina em mamíferos. O mTOR é um agente de integração de inúmeras vias regulatórias desse processo de síntese proteica e é responsável pela estimulação de alguns fatores que darão início à produção de proteínas que ocorre na região intracelular. Ele sofre interferência de alguns fatores, como exercício físico, alimentação e insulina.


A síntese proteica ocorre em organelas intracelulares denominadas cromossomos, após processo de transcrição do DNA (ácido desoxirribonucleico) em RNA (ácido ribonucleico) e tradução deste último. A transcrição é caracterizada por uma série de reações que culminam em formação do RNA, que leva a informação genética sobre a formação de proteína para os ribossomos, organelas que funcionam como verdadeiras fábricas de proteína.

Após a interação entre os diversos tipos de RNA e o ribossomo, inicia-se a síntese da cadeia de polipetídeos, que podem ser utilizados, dentre outras funções, para a hipertrofia e para a síntese de mitocôndrias. O primeiro caso ocorre de forma mais acentuada em exercícios de força e o segundo em endurance, o que evidencia que diferentes tipos de exercício estão associados a respostas fisiológicas de adaptação diferentes. O exercício é um dos fatores que estimulam o mTOR e, consequentemente, a síntese proteica.

Além do exercício físico, a insulina também está altamente relacionada com o aumento na produção de proteínas. Ela participa da estimulação do mTOR através de uma cascata de reações de fosforilação e age em sinergia com outro fator estimulador do mTOR: a leucina. A leucina é um aminoácido de cadeia ramificada que, além do estímulo à atividade do mTOR, também pode ser utilizada como substrato para a produção proteica e, ainda, possui ação insulinogênica.

Vale ressaltar, ainda, que o mTOR é uma molécula ativa durante o período de recuperação; no momento da prática, encontra-se inativado devido, principalmente, pela redução nas proporções de ATP/AMP e fosfocreatina/creatina. Esse quadro origina-se devido ao fato de ser mais importante nesse momento, o aporte energético e não a síntese propriamente dita.

Dessa forma, fica claro que, para o aumento na síntese proteica, é necessária a integração de alguns fatores que, sozinhos, não produzirão resultados satisfatórios. É importante salientar que o exercício físico aliado à uma boa nutrição, com ingestão de aminoácidos essenciais, principalmente a leucina levam ao aumento nas vias estimulatórias após o exercício e esse estímulo atuará reparando as lesões ocorridas durante o treinamento e aumento a síntese para ganho de massa muscular.

 

 

LuaLua Rodrigues faz parte da equipe de Nutrição da SNC de Salvador. Ela é graduanda em Nutrição pela UNEB.

Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail   nutricao@sncsalvador.com.br

Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor.

Curta a nossa página no Facebook e não perca nenhuma notícia e/ou promoção.

 

 

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.