Sem categoria

Waxy Maize: Verdades ou Mitos?

amidoA suplementação de carboidratos antes e ou durante o exercício prolongado pode retardar a fadiga muscular e melhorar a performance. Essa melhora tem sido associada à manutenção de altas concentrações de glicose no plasma durante o exercício de longa duração. Outra questão importante é a oxidação da gordura durante o exercício, muitos estudos mostram que há uma maior produção de energia a partir dos lipídeos quando são utilizados carboidratos de baixo índice glicêmico antes da atividade física. Existe uma recomendação de carboidratos de alto índice glicêmico durante e após o exercício para promover uma maior captação de carboidrato e melhor recuperação do glicogênio muscular.

 Os carboidratos que entraram no mercado recentemente são compostos, basicamente, por amido obtido do milho, arroz, tapioca ou batata. O amido é um polissacarídeo, ou melhor, um homopolissacarídeo (carboidrato de cadeia longa formado por monômeros iguais). O que chama a atenção nesses produtos é que, segundo seus fabricantes, eles fornecem energia imediata e intermediária para repor o glicogênio muscular rapidamente, ajudam na absorção de nutrientes e são absorvidos muito mais rápido do que os carboidratos de baixo peso molecular. Essa é uma informação intrigante, já que há muito tempo sabe-se que os carboidratos de alto peso molecular são lentamente absorvidos.

Os alimentos, depois de ingeridos, precisam ser quebrados em moléculas menores para posterior absorção, logo, a digestão exerce um papel importantíssimo na velocidade de absorção de um nutriente. A taxa de digestão do amido está relacionada com a quantidade de amilose e amilopectina que ele possui. A amilopectina tem uma estrutura química mais ramificada, sendo assim, torna-se mais susceptível a ação enzimática. A amilose é mais lentamente digerida, pois, ao contrário da amilopectina, esta possui estrutura linear dificultando o acesso das enzimas. A maioria dos cereais tem a composição de 80% amilopectina e 20% de amilose. Alguns autores citam que não há vantagens no consumo dos amidos em relação à dextrose e para que os amidos atenuem a resposta pós-prandial de insulina é necessário que eles possuam pelo menos 30% de amilose.

Os fabricantes desses novos carboidratos não fornecem informações nos rótulos dos produtos de qual é o tipo do amido. Não se sabe a porcentagem de amilose ou de amilopectina ou mesmo se o amido é da classe dos amidos resistentes, essas informações são de grande importância, já que essas características interferem na velocidade de absorção do produto.

No entanto, os estudos científicos mostram que os carboidratos de baixo peso molecular são mais rapidamente absorvidos, observa-se que a glicemia aumenta muito mais quando há o consumo desses carboidratos, além disso, o estímulo à insulina também é muito maior ao consumir carboidratos de cadeia menor. O que acontece com os homopolissacarídeos é que eles são lentamente absorvidos, o que justifica uma resposta insulinêmica reduzida em relação aos outros carboidratos de baixo peso molecular. Tem sido mostrada, em alguns estudos, uma associação positiva entre o uso desses carboidratos antes da atividade física e o aumento da oxidação de gordura em comparação com o uso de carboidratos de baixo peso molecular o que pode ser justificado pela absorção gradual e o baixo estímulo à insulina.

Bom, de acordo com os achados na literatura, a informação de que esses “novos carboidratos” são absorvidos mais rapidamente do que os carboidratos comuns pode vir a ser um MITO. No entanto, nos estudos analisados foi verificado que eles fornecem baixo estímulo à insulina (informação, aparentemente, VERDADEIRA). Entretanto, para concluir esse assunto com exatidão existe a necessidade de informações mais específicas a respeito dos produtos, como por exemplo: o tipo do amido, percentual de amilose e amilopectina, entre outros detalhes. Dessa forma, poderíamos confrontar esses produtos com estudos experimentais publicados na literatura que utilizaram amidos semelhantes.

 

Luana Vilas Bôas é graduanda em Nutrição pela UFBA.

 

Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail        nutricao@sncsalvador.com.br       .

Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor.

Curta a nossa página no Facebook e não perca nenhuma notícia e/ou promoção

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.