Sem categoria

Todas as gorduras são ruins?

 

 

 

gordurasNormalmente, o consumo de gorduras costuma ser associado à malefícios, como aumento no colesterol plasmático, doenças cardiovasculares, obesidade, resistência à insulina, entre outros. Mas será que todas as gorduras são ruins?

De fato, o consumo de gorduras saturadas está diretamente associado aos níveis lipídicos plasmáticos, principalmente a colesterolemia. As gorduras trans também estão associadas ao aumento do colesterol LDL (colesterol que quando a cima do nível desejado traz consequências ruins) e redução do HDL (fração que deve estar em níveis plasmáticos elevados de acordo com os parâmetros determinados). Portanto, o consumo destas gorduras requer cautela, sendo que o de gorduras saturadas deve ser controlado, e o de gorduras trans, evitado.

Porém, os ácidos graxos insaturados, classificados de duas formas sendo os polinsaturados representados pelas séries ômega-6 (linoleico e araquidônico) e ômega-3 (alfa linolênico, eicosapentaenoico- EPA e docosahexaenoico- DHA) e monoinsaturados representados pela série ômega-9 (oleico). Estes ácidos graxos atuam em processos fisiológicos normais sendo responsáveis pela geração e estocagem de energia, bem como, manutenção da estrutura, integridade e funcionamento das membranas plasmáticas e síntese de eicosanoides, além das funções cerebrais e transmissão de impulsos nervosos.  Sua ingestão em níveis adequados está ligada à prevenção de diversas doenças, a exemplo das doenças coronarianas, doenças autoimunes, câncer de mama, próstata, cólon e artrite reumatoide. O EPA é importante na profilaxia de doenças cardiovasculares e hipertensão. O DHA apresenta fator preventivo nas doenças cardíacas, redução da taxa de triglicerídeos, além de ser importante no desenvolvimento da função visual e cerebral.

Os ácidos graxos monoinsaturados (oleico) exercem o mesmo efeito sobre a colesterolemia, sem, no entanto, diminuir o HDL-C e provocar oxidação lipídica. Suas principais fontes dietéticas são o óleo de oliva, óleo de canola, azeitona, abacate e oleaginosas (amendoim, castanhas, nozes, amêndoas). Os ácidos graxos ômega – 3 (alfa linolênico, EPA e DHA) são encontrados respectivamente nos vegetais (soja, canola e linhaça) e em peixes de águas frias (cavala, sardinha, salmão, arenque). O ácido linoleico é essencial e o precursor dos demais ácidos graxos polinsaturados da série ômega-6, cujas fontes alimentares são os óleos vegetais de soja, milho, e girassol.

A suplementação com os ácidos graxos ômega 3, também vem sendo bastante difundida, divido à todos os benefícios já citados anteriormente. Para saber um pouco mais sobre a importância do consumo destes ácidos graxos, avaliação da necessidade de utilização, e adequação do consumo de gorduras através da dieta, consulte um Nutricionista. 


Priscila

 

Priscila Teles faz parte da equipe de Nutrição da SNC de Salvador. Ela é graduanda em Nutrição pela UFBA. 

 

 

 

 

 

 

Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br.

Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor.

Curta a nossa página no Facebook e não perca nenhuma notícia e/ou promoção

 

 

 

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.