Sem categoria

Beta-Alanina e Fadiga Muscular

BetaalaninaDurante o exercício, a demanda energética do músculo esquelético aumenta. Para suprir essa demanda, o corpo se vale da fonte energética mais rápida, o ATP, que apresenta estoques limitados. Assim, o músculo deve buscar outras fontes, presentes nos sistemas aeróbico (dependente de oxigênio) e anaeróbico. Este sistema anaeróbio compreende principalmente a quebra de fosfocreatina e a combustão parcial da glicose ou glicogênio.

Para a realização deste tipo de exercício utiliza-se a via da glicólise que produzirá glicose e ácido lático. Com a extenuação do exercício, o ácido lático se converte em lactato e essa conversão gera íons de hidrogênio (H+) que se acumulam, alterando o pH muscular. Com a queda do pH vem a acidose, que é a principal causa da fadiga. Como consequência, há redução do desempenho, pois, este acúmulo interrompe a ressíntese de fosfocreatina, inibe a glicólise e atrapalha a contração muscular. É um fenômeno comum em esportes de resistência e é uma experiência usual nas atividades diárias.

Estratégias nutricionais que aumentam a capacidade do músculo e atenuam o aumento da concentração de H+ durante o exercício de alta intensidade podem beneficiar o desempenho do praticante. A Beta-Alanina, por exemplo, é muito indicada para este objetivo. É precursora de um dipeptídeo, conhecido como carnosina que é a responsável pelo controle do pH muscular, fenômeno chamado de Efeito Tampão.

A carnosina é produzida principalmente pelo músculo esquelético (principalmente nas fibras glicolíticas – contração rápida) e é a primeira linha de defesa contra alterações do pH, devido à sua constante de acidez (6.83). A beta-alanina, a partir da carnosina sintetase é capaz de formar carnosina. No entanto, quando há excesso de beta-alanina a conversão não é mais eficiente. Valores que ultrapassam 800mg na dose (fração) não mostra resultado significativo quanto à síntese de carnosina. Por isso a indicação é de se fracionar a dose diária.

As pesquisas feitas até agora mostram que é seguro suplementar com beta-alanina. A dosagem usada é de geralmente 3,2 a 6,4 gramas, em três momentos do dia, podendo ser feita saturação de uma semana. O fracionamento também é importante para evitar a parestesia, famosa sensação de formigamento. Esta sensação, inclusive, não traz prejuízos à saúde e é passageira. Para utilizar conscientemente a beta-alania e outros suplementos, procure um Nutricionista. 

 

MarianaC

 Mariana Castro faz parte da equipe de Nutrição da SNC de Salvador. Ela é graduanda em Nutrição pela UNEB.

 

 

 

 

 

 

 

Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail       nutricao@sncsalvador.com.br      .

Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor.

Curta a nossa página no Facebook e não perca nenhuma notícia e/ou promoção.

 

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.