Sem categoria

Creatina

creatine-powder

O ácido alfa-metil guanidino acético, conhecido como creatina, é um composto que pode ser obtido, principalmente, através do consumo das carnes vermelhas, e no corpo é sintetizada pelos rins, pâncreas e fígado a partir dos aminoácidos não essenciais glicina e arginina. Aproximadamente 95% da creatina endógena é armazenada no músculo esquelético, podendo estar na sua forma livre (Cr) ou na sua forma fosforilada, conhecida como creatina fosfato (PCr).

Em exercícios de curta duração e alta intensidade, como por exemplo, levantamento de peso, a creatina fosfato (PCr), através de reações não enzimáticas, doa o grupo fosfato (Pi) para a produção de energia sob a forma de adenosina trifosfato (ATP). Esse sistema (ATP-PCr) é o único sistema do corpo humano que consegue produzir quantidades altas de energia, porém essa energia só fica disponível por alguns segundos. A suplementação de creatina pode aumentar os níveis de creatina fosfato (PCr), além de melhorar a ressíntese do ATP.

Existem vários tipos de creatina comercializadas, a mais usada e a mais estudada, sem dúvidas, é a creatina monohidratada. Além dos benefícios da suplementação por atletas, alguns estudos já mostram efeito da sua utilização sobre o quadro de resistência à insulina e de sarcopenia em idosos, trazendo resultados bem satisfatórios.

É muito comum ouvir dizer que o uso de creatina pode favorecer uma lesão renal. O que ocorre, é que o metabolismo da creatina forma metilamina e formaldeído, que pode aumentar o trabalho dos rins. O que não quer dizer que venha a gerar uma lesão renal, seja pelos metabólitos da creatina, proteína ou qualquer outro substrato por isso é de extrema importância que a pessoa esteja sempre com um ótimo consumo hídrico.

Os resultados da suplementação de creatina vem com o uso crônico, e cerca de 30% da população mundial não sente seu efeito. Para acelerar os resultados existe uma estratégia que pode ser feita, que é conhecida como a fase de saturação da creatina monohidratada, que consiste em utilizar durante os primeiros 5 dias, 5g de creatina 4 vezes no dia, junto com uma fonte de carboidrato simples, pois a insulina aumenta sua captação, totalizando 20g de creatina por dia, depois fazer a manutenção de 5g por dia, até no máximo 3 meses, dando intervalo de 1 mês.

Para que não exista mais dúvidas sobre esse composto e como usar, procure um nutricionista.

GabGabriel Pacheco faz parte da equipe de Nutrição da SNC de Salvador. 

Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail        nutricao@sncsalvador.com.br  .

Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor.

Curta a nossa página no Facebook e não perca nenhuma notícia e/ou promoção

 

 

2 comentário

Arthur Duarte 11 de outubro de 2015 at 23:18

Olá, eu gostaria de saber melhor como é a síntese de metilamina através da creatina e se possível a referência bibliográfica.
Sou acadêmico e não consigo achar essa informação.
Desde já, grato.

Responder
Lara Cerqueira 20 de outubro de 2015 at 16:32

Olá Arthur,
Enviamos para o seu e-mail o material de cunho científico solicitado.

Estamos a disposição!

Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.