Sem categoria

Disbiose Intestinal

Disbiose intestinal tem sido compreendida para descrever situações em que alterações na composição/atividade da microbiota intestinal podem ser deletérias para a saúde do hospedeiro. A composição e estrutura da nossa microbiota intestinal muda à medida que envelhecemos, e há mudanças particularmente nos primeiros anos de vida. Ao nascer, o trato gastrointestinal (TGI) parece ser estéril, mas a colonização ocorre rapidamente no período pós-parto. A diversidade microbiana aumenta durante os primeiro anos de vida e, em seguida, estabiliza por volta de 2 a 4 anos de idade, assemelhando-se a de um adulto.O ecossistema microbiano do intestino tem uma enorme influência sobre o estado geral de saúde do hospedeiro humano. Os seres humanos apresentam 500-1000 espécies bacterianas no TGI com a maioria pertencendo a apenas em dois filos: o Firmicutes e Bacteroides (> 90%), os quais são capazes de digerir os polissacarídeos alimentares que escapam à digestão no intestino delgado. O nosso TGI apresenta diversas funções incluindo, a absorção de nutrientes, remoção de resíduos através de peristaltismo, a defesa contra patógenos ingeridos e prevenção da translocação de alimentos ou de antígenos para circulação sistêmica. O desequilíbrio da microbiota intestinal torna o TGI vulnerável a doenças locais, porém, além destas a disbiose intestinal também está associada com doenças sistêmicas tais como a obesidade, diabetes e aterosclerose. Sendo assim, é de fundamental importância preservar e promover a saúde do nosso intestino.O exercício físico pode ser benéfico e prejudicial para o trato gastrointestinal em uma relação dose-efeito entre a sua intensidade e a saúde. Exercícios de intensidade leve a moderada desempenham um papel protetor contra algumas perturbações do TGI, como a obstipação; enquanto que o exercício extenuante pode provocar alterações como azia, náuseas, vômitos, dor abdominal, diarréia e até mesmo sangramento gastrointestinal. Quem mais sofre com isso são os atletas de alto desempenho, como os corredores.Mas a disbiose tem cura? SIM. O tratamento pode ser feito através de mudanças de hábitos alimentares, uso de probióticos, prebióticos e bacterioterapia fecal. Os probióticos são atualmente definidos como microrganismos vivos, que quando consumidos em quantidades adequadas, conferem um efeito à saúde do hospedeiro. Os gêneros de bactérias mais frequentemente utilizados são bactérias lácticas, principalmente os Lactobacillus e Bifidobacterium; os prebióticos são ingredientes alimentares não digeríveis que afetam beneficamente o hospedeiro ao estimular seletivamente o crescimento e / ou atividade de bactérias benéficas do cólon, os comumente utilizados incluem inulina, bem como fruto-oligossacáridos, os quais são direcionados no sentido de promover o crescimento de bactérias potencialmente benéficas, tais como as bifidobactérias. A dieta é um importante modulador deste quadro de disbiose, estudos mostram que o consumo de fibra dietética frequentemente parece estar correlacionado com a melhoria da saúde do cólon e os indivíduos que a consomem quantidades maiores têm menor incidência de doenças tais como doença inflamatória intestinal (DII) e câncer colo-retal. Já uma dieta com elevado teor de gordura pode induzir disbiose, o que pode resultar num elevado grau de estado inflamatório e outras desordens metabólicas.Visto a importância de se ter uma integridade da microbiota intestinal para a saúde, a sua restauração e manutenção de forma saudável pode ser um “remédio” eficaz e seguro para prevenir essas doenças. Procure um nutricionista para um adequado acompanhamento e prescrição dietética.
“Este texto foi escrito por Marianne Áurea

Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br

Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor.

Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador)

 

3 comentário

Maria 11 de abril de 2015 at 01:07

Olá! Disbiose Intestinal pode estar relacionada com o surgimento de alergias alimentares?

Responder
Mariane Áurea 14 de abril de 2015 at 23:25

Olá Maria, boa noite! A disbiose pode sim estar relacionada com o surgimento de alergias alimentares!! Bom, a microbiota intestinal é importante para o adequado desenvolvimento de tolerância oral, o que evita que o nosso sistema imunológico reaja aos comensais inofensivos reconhecendo-os como antígenos bacterianos, ou seja, o quadro de disbiose pode criar uma resposta imune irregular. Estudos mostram que Firmicutes (especialmente Lactobacillus spp.) e a Bifidobacteria spp. estão em níveis reduzidos em indivíduos com alergias alimentares. Assim sendo, os probióticos têm sido sugeridos como uma terapia para a alergia alimentar, porém mais estudos são necessários para comprovar sua eficácia em longo prazo. Espero ter conseguido esclarecer sua dúvida, caso contrário é só entrar em contato novamente! Atenciosamente, Marianne Áurea.

Responder
VITORIA MELO 1 de dezembro de 2016 at 12:45

Olá Maria, obrigada pelo contato. Sim, com certeza, a disbiose intestinal provoca inflamação excessiva no organismo, o que pode levar a alergias alimentares. Por isso, para o tratamento dessas alergias é muito importante a modulação da microbiota intestinal. O nutricionista é o profissional indicado para adequar as estratégias alimentares nessa situação.

Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.