Sem categoria

Proteínas vegetais para hipertrofia

Dentre os macronutrientes a proteína é considerada a mais benéfica e está sempre no foco, seja para hipertrofia, emagrecimento, manutenção de peso e/ou prevenção de sarcopenia, ela é um nutriente muito disputado. Com o aumento da demanda por fontes proteicas, há uma maior procura por diferentes tipos de suplementos proteicos e, atualmente, as proteínas de origem vegetal estão ganhando interesse como uma alternativa às proteínas animais, por razões de saúde e também ambientais.

As proteínas de fontes vegetais, como a proteína do arroz e da ervilha, são opções interessantes para intolerantes à lactose e vegetarianos, e muito indicada por alguns ramos da nutrição, que veem principalmente nos derivados lácteos, malefícios. Então, com esta nova tendência do mercado, de selecionar melhor as fontes animais, surge os suplementos com a proteína do arroz e da ervilha, vegetais que, quando consumidos pela alimentação, apresentam maior teor de carboidrato. Portanto, isolando a parte proteica, se tem o benefício de seleção do macronutriente, sendo a suplementação essencial neste aspecto.

Mas, com tantos tipos de fontes proteicas, é importante saber diferenciá-las e isto pode ocorrer de várias maneiras, tais como: digestibilidade e quantidade relativa de aminoácidos individuais. Em comparação com proteínas de origem animal, as fontes proteicas vegetais, com exceção da proteína de soja, são frequentemente mais deficientes em um ou mais aminoácidos essenciais, sendo qualificadas como uma fonte de proteína incompleta. Por isso a fontes animais são tidas como melhores. Em relação à digestibilidade, as de fonte animal também são mais bem absorvidas do que as proteínas vegetais.

Por conta destas diferenças, o que os estudos mostram quando comparam estes dois tipos de proteína vegetal com a whey protein (origem animal) em relação à hipertrofia, é que não há diferença significativa no ganho de massa magra quando consumida uma quantidade maior de proteína de origem vegetal, em torno de 48g. Outro aspecto importante relacionado à proteína da ervilha é o poder sacietogênico desta fonte, equivalente ao poder de saciedade da caseína.

Essas fontes proteicas são uma excelente alternativa para vegetarianos restritos e intolerantes, bem como para hipertrofia (quando consumida em quantidades maiores), saciedade e também como uma opção para adequação do consumo de proteínas na dieta.

Este texto foi escrito por Naia Ferreira, que faz parte da equipe de Nutrição da SNC Salvador

Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br

Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor.

Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador)

1 comentário

Juliana de Andrade 14 de maio de 2015 at 12:11

Artigo excelente, Naia. Essa questão da oferta de proteínas, principalmente quando consideramos um paciente intolerante e/ou vegetariano sempre pesa. Bons esclarecimentos!! Ajudou bastante.

Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.