A importância do sono

Para a manutenção do nosso ciclo circadiano (do latim: circa = em torno de; dies = do dia) e do ciclo de sono e vigília dependemos da ação de diversos fatores externos e internos do nosso corpo. Portanto, fatores como a luminosidade e o calor do dia, a escuridão e a redução de temperatura ambiental à noite, os ruídos da cidade e dos animais, dentre outros elementos, são condicionadores da manutenção do ritmo de atividades alternada com o repouso, dentro do padrão circadiano.
Sendo assim, estímulos externos como a luminosidade do ambiente são fundamentais para a regulação do sono, atuando sobre a glândula pineal, que secreta a melatonina. A melatonina por sua vez, é um neuro-hormônio denominado “hormônio da escuridão”, o qual fornece a informação ao organismo de que é noite. O aumento dos seus níveis está fortemente relacionado com o aumento da sonolência e diminuição da temperatura corporal, provavelmente por meio de sua ação nos seus receptores existentes em vasos sanguíneos periféricos, resultando em vasodilatação e consequente atividade nos centros do sono do hipotálamo. Além do seu efeito como regulador da qualidade do sono, a melatonina também possui ação antioxidante, anti-inflamatória e anticoagulante.
Naturalmente, existem alguns nutrientes que podem melhorar a qualidade do sono. O leite, por exemplo, é um alimento rico em triptofano e no nosso organismo esse aminoácido é convertido em serotonina, sendo este último, precursor de melatonina no cérebro. As vitaminas do complexo B estão intimamente relacionadas ao metabolismo do sono, como a vitamina B6 que é essencial na síntese de serotonina, e a vitamina B12 que esta relacionada à secreção de melatonina. Minerais como o magnésio e o zinco também participam da regulação do sono. O magnésio atua aumentando a secreção de melatonina pela glândula pineal, estimulando a atividade da serotonina N-acetil-transferase, enzima-chave na síntese de melatonina. O zinco, por sua vez, é um cofator importante para o metabolismo de neurotransmissores, prostaglandinas, e melatonina.
Os distúrbios provocados pelas alterações dos horários de sono e vigília influenciam o apetite, a saciedade e, consequentemente, a ingestão alimentar, o que parece favorecer o aumento da obesidade. Existe uma relação direta entre a curta duração de sono e o desenvolvimento da obesidade. Estudos mostraram que a diminuição na duração do sono está relacionada com uma menor concentração plasmática de leptina (hormônio que aumenta saciedade), elevação da concentração plasmática de grelina (hormônio estimulador do apetite) e aumento na massa corporal.
Portanto, uma boa noite de sono é de fundamental importância para o aumento do estímulo hormonal, melhora do humor e melhor recuperação.
Este texto foi escrito por Gabriel Medrado. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 pensamentos em “A importância do sono”