Sem categoria

Nutrição e biogênese mitocondrial

As mitocôndrias são organelas citoplasmáticas presentes na maioria das células eucarióticas. São constituídas por duas membranas altamente especializadas, além de possuírem os espaços intermembranar e interno da matriz, localizado neste último o DNA mitocondrial e maior concentração das funções enzimáticas. Constantemente são alteradas na dinâmica celular, variam de tamanho e em número de acordo com tecidos e avidez energética, já que são organelas protagonistas na produção energética, a partir de substratos como glicose, ácidos graxos e aminoácidos, além de participarem na produção de calor.
As mitocôndrias são descendentes da relação simbiótica de origem bacteriana que se estabeleceu em uma célula hospedeira. Observa-se que as mitocôndrias possuem genoma específico, além de possuírem processo de replicação autônoma, através da codificação de proteínas específicas pelo genoma e núcleos mitocondriais. Sua função energética foi condição essencial para o surgimento de células eucarióticas e desenvolvimento de sistemas.
A biogênese mitocondrial relaciona a múltipla ação e coordenação dos genomas codificadores nuclear e mitocondrial. A regulação celular por mecanismo adaptativo altera em número e na arquitetura das mitocôndrias existentes. O estímulo adicional a necessidade de alteração e maior produção de energia favorece uma cascata de vias de sinalização e resulta na expressão de genes para a formação de novas mitocôndrias. Além de formação de novas células, a biogênese mitocondrial, correlaciona-se com o aumento da organela e da expressão dos complexos enzimáticos.
O processo da biogênese mitocondrial, ocorre através da ativação do coativador 1α do receptor gama ativado pelo proliferador de peroxisoma, o PGC-1α (Peroxisome proliferator-activated receptor- coactivator), que é proteína reguladora e participa de inúmeros processos metabólicos, incluindo produção de novas mitocôndrias em tecidos que demandam maior produção energética, como os músculos esqueléticos e coração, atua também no controle da β-oxidação mitocondrial e no estresse oxidativo. PGC-1α interage com as NRF-1 e NRF-2 que regulam a transcrição mitocôndrial, ativa outras enzimas como o fator de transcrição mitocondrial A (mtTFA) e estimula a duplicação do DNA mitocondrial.
Alguns fatores influenciam a biogênese mitocondrial sendo eles o estresse ambiental, tais como: exercício físico, restrição calórica, baixa temperatura, estresse oxidativo, divisão renovação e diferenciação celular. A restrição calórica e sua atuação sobre a biogênese mitocondrial é favorecida por mecanismo de produção de ATP e a expressão de SIRT1 (NAD+ deacetilase dependente) assim como supostamente o resveratrol, presente no vinho, por meio da expressão de eNOS e ativação de PGC1-alfa. O óxido nítrico (NO), radical livre produzido a partir da L-arginina (ácido 2-amino-5-guanidino pentanóico) e do oxigênio, possui atividade vasodilatadora e favorece o aumento da nutrição celular e consequente aporte de  substratos energéticos para a mitocôndria. NO supostamente pode influenciar diretamente o consumo de oxigênio pela mitocôndria devido sua função na adaptação à hipóxia. A interação do NO mediado via AMPK (proteína quinase ativada por adenosina monofosfato) na regulação da PGC-1 α está possivelmente ligado ao aumento da biogênese mitocondrial, promovido por um mecanismo de feedback positivo entre a produção de NO e a ativação da AMPK, que resulta no aumento da expressão da PGC-1α. Atualmente novos estudos apontam ouros nutrientes como o selênio e a quercetina (flavonoide natural presente em cebolas e maçãs) atuando positivamente na biogênese mitocondrial, logo a alimentação saudável, além da pratica de exercício físico como rotina, exerce papel essencial nesse processo.

Este texto foi escrito por Ivana Fiscina, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido.
Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br
Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor.
Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador)

36 comentário

Nelson de Deus Ferreira 17 de novembro de 2015 at 00:36

Achei ótimo este artigo, mesmo não tendo muitas ilustrações, é bem explicativo!

Responder
Ivana Fiscina 18 de novembro de 2015 at 22:17

Agradeço o retorno Nelson, infelizmente o site não comporta imagens. Estou a disposição para maiores esclarecimentos!

Responder
Pablo Monteiro 24 de março de 2017 at 02:07

ótimo artigo, porém me surgiu uma dúvida, a intençao de fazer a biognenese mitocondrial em uma pessoa que malha, para fins de emagrecimento tanto para fins de hipertofia muscular, pelo que pesquisei e entendi a vantagem é mais para o emagrecimento, gostaria de saber se para ganho de massa muscular tb procede?

Responder
VITORIA MELO 24 de março de 2017 at 09:18

Olá Pablo, obrigada pelo contato. Sim, procede, quanto mais mitocôndrias eficientes possuimos no nosso organismo, mais eficiente fica nosso metabolismo, melhor o consumo de oxigênio e produção energética. Logo, isso irá melhorar o desempenho, evitar a fadiga, melhorar as reações bioquímicas do organismo, facilitando o processo de hipertrofia muscular.

Responder
lucas 3 de abril de 2016 at 23:11

apenas faltaram as referências.

Responder
Lara Cerqueira 7 de abril de 2016 at 13:23

Olá, Lucas. Enviamos para seu e-mail as referências mencionadas. Desejamos boa leitura!

Responder
André Cordeiro 11 de abril de 2016 at 22:42

Muito bom e didático o texto. Mas, como sugestão, voces poderiam adicionar ao texto os papéis do Calcio intracelular e ativação de proteínas como a CaMK e CaMKII, bem como as funções da p38MAPK e da mTOR, que ja foram bem elucidadas na literatura.
Mas parabéns pelo texto. Abraços!

Responder
Ivana Fiscina 12 de abril de 2016 at 12:06

Olá André, agradeço muitíssimo o reconhecimento do meu trabalho. Verdadeiramente as vias sinalizadoras mencionadas são bem elucidadas, a tentativa da linguagem mais direta dos nossos textos são para atingir públicos diversos, mas em uma próxima oportunidade, considerarei a possibilidade de detalhar bioquimicamente os mecanismos de ação. Estarei sempre a disposição.

Responder
Jefferson dos Santos 3 de setembro de 2016 at 22:58

Olá, gostaria que me enviassem as referencias de artigos usadas para produzir esse texto. Achei muito interessante e sei que muita coisa do que está aí é verídica por já ter visto material referente a este tema. Desejo ter os artigos usados para investigar alguns assuntos relacionados a este tema. Desde já, muitíssimo obrigado e parabéns pela divulgação desta informação.

Responder
Rafael Fildes 1 de outubro de 2016 at 12:41

Olá Jefferson,

Enviamos o conteúdo para o seu e-mail.
Obrigado pelo elogio, estamos à disposição

Responder
Patrick 10 de novembro de 2016 at 23:51

Obrigado, muito bom. Tenho uma duvida: quais alimentos, aumentam mais a, biogene mitocondrial e, qual a relação da mitocondria com ozônio? Sei q o ozônio ajuda miuito a mitocondria, e/ou a oxigenação dela. Abraços !

Responder
VITORIA MELO 19 de dezembro de 2016 at 11:13

Olá Patrick, obrigada pelo contato. Alimentos que contenham antioxidantes como polifenóis, vitamina E, vitamina C, dentre outros melhoram a biogênese mitocondrial. Exemplo: cacau, acerola, castanha do pará, frutas vermelhas … Existem suplementações que isolam os compostos antioxidantes fornecendo essa função de forma mais eficaz, por exemplo a Coenzima Q10 que é uma excelente otimizadora do metabolismo mitocondrial. Quanto ao ozônio e a biogênese de mitocondrias não há relação bem estabelecida na literatura científica.

Responder
Gillian Macario 20 de novembro de 2016 at 06:58

Ola, parabens pelo conteúdo. Por favor, encaminha para meu email tb!! Obrigado!!

Responder
VITORIA MELO 30 de novembro de 2016 at 09:26

Olá Gilian, obrigada pelo contato. Estou encaminhando para o seu email artigos utilizados sobre o tema. Estamos disponíveis para maiores esclarecimentos.

Responder
Carla Soares 5 de dezembro de 2016 at 01:01

Muito bom o texto! Gostaria de solicitar, se possivel, o material utilizado para a produção. Obrigada e parabéns!

Responder
VITORIA MELO 5 de dezembro de 2016 at 10:07

Olá Carla, obrigada pelo contato. Encaminhamos para você alguns artigos que foram utilizados como base para produção desse texto.
Estamos disponíveis para maiores esclarecimentos.

Responder
Gustavo Suzart 13 de dezembro de 2016 at 10:22

Parabéns pelo material exposto. Sou estudante de nutrição e educador físico. Gostaria de receber as referencias para leitura.

Responder
VITORIA MELO 13 de dezembro de 2016 at 13:56

Olá Gustavo, obrigada pelo retorno. Encaminhamos para o seu email artigos sobre o tema Nutrição e biogênese mitocondrial.

Responder
Joao jr 19 de fevereiro de 2017 at 23:45

Ola. Parabens pelo texto. Vi um recente artigo falando sobre o uso de vitamina. C e E como suplementos e seus possiveis prejuizos a funcionalidade da pgc1 alfa e beta afetando a imunidade e melhoria de performance com o exercicio fisico. Você tem informaçoes a respeito. Me mande o material com as referencias.

Responder
Jannine Dantas 5 de outubro de 2017 at 09:58

Olá, João!

A equipe de Nutrição da SNC Salvador agradece pelo feedback. Como essas vitaminas que você mencionou são antioxidantes, elas de maneira suplementar e em excesso podem afetar a adaptação sobre o treino, porém não afetariam a imunidade. Você ainda tem acesso a esse artigo? Caso tenha nos mande como resposta ao e-mail que encaminhamos para você com as referências desse texto anexada. Estamos a disposição para maiores esclarecimentos.

Responder
Brenda raiane 17 de março de 2017 at 16:25

Olá ,estou preparando um seminário baseado em biogenese mitocondrial. gostaria muito de receber no meu email estes artigos utilizados para Estr resumo !

Responder
Lara Cerqueira 20 de março de 2017 at 15:06

Olá, Bruna!
Respondemos ao seu e-mail e atendemos a solicitação. Estamos a disposição para maiores esclarecimentos.

Responder
Amanda 25 de março de 2017 at 21:26

Gostei do texto. Gostaria das referências para ler mais sobre o assunto. Obrigada

Responder
Jannine Dantas 28 de abril de 2017 at 11:02

Olá, Amanda

A equipe da SNC Salvador agradece pelo reconhecimento. Encaminharemos um e-mail com os materiais requeridos referente ao tema.
Estamos a disposição para maiores esclarecimentos.

Responder
César Amorim 23 de abril de 2017 at 08:51

Parabéns pelo material. Gostaria de receber via email desse material e demais temas relacionados. Obriga

Responder
Jannine Dantas 26 de abril de 2017 at 17:10

Olá César.
A equipe de Nutrição da SNC Salvador agradece pelo reconhecimento. Enviamos-lhe um e-mail esclarecedor.

Estamos a disposição para maiores esclarecimentos.

Responder
Marcelo Dimer 22 de maio de 2017 at 13:55

Texto muito explicativo e de fácil entendimento! Gostaria de receber as referências.

Responder
Jannine Dantas 24 de maio de 2017 at 10:07

Bom dia, Marcelo!

Ficamos gratos pelo feedback, a equipe de Nutrição da SNC Salvador agradece pelo reconhecimento.
Enviamos-lhe um e-mail esclarecedor.
Estamos a disposição para maiores esclarecimentos.

Responder
Rogério Sant angelo 4 de junho de 2017 at 22:37

Boa noite achei muito interessante esse processo
Vocês tem algum estudo sobre o problema de esclerose múltipla ,se sim gostaria saber mais
Obrigado

Responder
Jannine Dantas 13 de junho de 2017 at 09:38

Olá, Rogério!

Ficamos gratos pelo feedback, a equipe de Nutrição da SNC Salvador agradece pelo reconhecimento. Enviamos-lhe um e-mail com os materiais requeridos. Estamos a disposição para maiores esclarecimentos.

Responder
Antonio Armando Zucato 4 de agosto de 2017 at 18:28

Ótimos comentários.Muito obrigado.

Responder
Jannine Dantas 25 de agosto de 2017 at 14:21

Olá, Antônio!

A equipe de Nutrição da SNC Salvador agradece pelo reconhecimento. Estamos a disposição para maiores esclarecimentos.

Responder
Sonia 7 de agosto de 2017 at 02:16

Gostei muito do tema e como sou leiga no assunto queria mais textos para explicar detalhadamente a questão da disposição do organismo para emagrecimento!

Responder
Lara Cerqueira 3 de janeiro de 2018 at 14:43

Olá, Sonia. A gordura para ser eliminada do nosso corpo, precisa ser transformada em energia e calor. Essa transformação é realizada pelas mitocôndrias, organelas que possuímos em quase todas as células. Quando cuidamos da saúde das mitocôndrias, garantimos maior eficiência no processo de emagrecimento e produção de energia, o que pode refletir em maior disposição diária. Acompanhe nosso site, sempre publicamos textos que referem ao emagrecimento e estratégias nutricionais. Agradecemos o contato, estamos a disposição!

Responder
fabiana papareli 12 de março de 2018 at 10:00

De que forma seria interessante trabalhar o exercício física, pensando na biogenese mitocondrial, há uma indicação de tipo de atividade?

Responder
Lara Cerqueira 12 de março de 2018 at 10:40

Olá, Fabiana.
Qualquer exercício pode otimizar a biogênese mitocondrial, mas o treino de endurance (resistência) tem impacto maior por ativar uma via direta chamada de AMPK e por recrutar fibras musculares que necessitam de mais mitocôndrias. No entanto, para adequar a estratégia possível de realização para cada contexto, é preciso o parecer de um profissional de educação física.
Estamos a disposição!

Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.