Sem categoria

Whey Protein na gestação

O período gestacional é tido como o estágio de desenvolvimento do embrião dentro do útero materno, a partir da concepção até o nascimento. Nessa fase, a nutrição é de fundamental importância, visto que a demanda nutricional é ainda maior do que o pré-gestacional, ou seja, os ajustes fisiológicos no organismo materno e o desenvolvimento fetal dependem de uma boa nutrição. Atendendo a essa demanda, há uma chance maior do concepto iniciar a vida com melhores condições de saúde mental e física.

O uso de suplementos alimentares na gestação apresenta sua validade constatada, principalmente em relação ao peso ao nascer. Nesse sentido, o número de estudos voltados para a utilização de whey protein para gestantes tem crescido bastante.

As proteínas do soro do leite, ou whey protein, são extraída da porção aquosa do leite gerada durante o processo de fabricação do queijo. A whey protein possui um ótimo valor biológico, apresenta também altas concentrações de aminoácidos essenciais (que não são sintetizados pelo nosso organismo), principalmente dos aminoácidos de cadeia ramificada, conhecidos também como BCAA’s. Na sua composição encontram-se alguns fragmentos proteicos, ou peptídeos proteicos, como: beta-lactoglobulina, glicomacropeptídeos, alfa-lactoalbumina, albumina do soro bovino, lactoferrina, imunoglobulinas, etc. Esses peptídeos participam de diversas funções no nosso organismo, como, por exemplo, atividade antibacteriana, imunomoduladora, antioxidante, anti-hipertensivo, dentre outras.

A lactoferrina, já citada anteriormente, é uma proteína de ligação ao ferro, encontrada em altas concentrações no leite materno e atua como antimicrobiana, beneficiando o sistema imunológico contra proliferação de microorganismos nocivos. O seu uso também esta relacionada como facilitadora da absorção de ferro no intestino delgado, sendo de grande valia para as gestantes, tendo em vista que a sua necessidade é aumentada.

Estudos demonstraram que a utilização de lactoferrina na gestação melhorou o ganho de peso do feto assim como reduziu os níveis de marcadores inflamatórios. Mais, a o uso da lactoferrina aumentou os níveis de metabólitos cerebrais como GABA, glutamato e etc. Entretanto, a maioria dos estudos foi realizada com ratos.

Além desses fatores, alguns autores trazem os benefícios do consumo de BCAA para o desenvolvimento do feto. Nesse sentido, é apresentado que o consumo desses aminoácidos aumentou o peso dos embriões, assim como melhoraram o transporte pela placenta, e aumentaram a expressão de IGF-I (Fator de crescimento semelhante à insulina 1) e IGF-II (Fator de crescimento semelhante à insulina 2), melhorando assim o desenvolvimento do feto. No entanto, esses estudos também foram realizados em ratos.

Outro elemento que cabe na discussão é a presença dos adoçantes dietéticos na suplementação de whey protein para o público gestante. Os adoçantes são produtos que foram elaborados com objetivo de atender a um público específico, porém, atualmente, o perfil dos usuários desse tipo de alimento é muito diversificado, não atendendo exclusivamente aqueles que possuem Diabetes Mellitus.

Ainda há uma grande falta de mecanismos e dos efeitos da utilização de adoçantes dietéticos, tanto nas nutrizes quanto nos bebês ou fetos. Dessa forma, a utilização desses adoçantes não apresenta comprovações científicas para afirmar a seguridade do seu uso por essa população. Sendo assim, seria prudente a isenção desses na alimentação desse grupo, resguardando o caso daquelas que possuem o quadro de Diabetes Mellitus.

Em suma, a utilização de whey protein para o público gestante apresenta diversos benefícios, tanto para a futura mãe, quanto para o feto. Lembrando que o uso dessa proteína deve estar sempre consoante a um planejamento alimentar equilibrado e individual prescrito por um profissional da área. Para melhores resultados, procure um profissional formado.

Este texto foi escrito por Gabriel Medrado, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido.

Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br
Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).

4 comentário

Geovanna Castilho 15 de junho de 2017 at 11:01

Olá então no primeiro trimestre de gestação posso tomar whey protein e BCAA? E o colágeno e a glutamina também posso utilizar no primeiro trimestre de gestação? Obrigada.

Responder
Lara Cerqueira 4 de dezembro de 2017 at 14:26

Olá, Geovanna.
Não há problema no consumo dos suplementos citados, pois são todos a base de proteínas ou derivados proteicos. Deve apenas atentar para o consumo de alternativas suplementares sem sabor ou naturalmente saborizados, uma vez que adoçantes artificiais são contra-indicados.
Estamos a disposição!

Responder
Mariete Rodrigues 7 de fevereiro de 2018 at 10:57

Olá. Estou grávida de 3 meses, treinava e suplementava fortemente antes, só agora fui liberada pelo medico. Posso voltar a treinar, posso voltar suplementando?

Responder
Lara Cerqueira 13 de março de 2018 at 13:31

Olá, Mariete.
Não é indicado o consumo de suplementos a base de substâncias estimulantes (ex: termogênicos e pré-treinos), mas há possibilidade de consumir uma outra variedade existente (ex: whey, ômega 3, glutamina…), evitando sempre adoçantes e corantes artificiais. O ideal é que busque o auxílio de um nutricionista para adequar a suplementação à sua necessidade.
Estamos a disposição!

Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.