IGFs e Aplicabilidades

A busca por recursos ergogênicos é cada vez maior entre os atletas e praticantes de atividade física programada. Dentre as alternativas estão os estimulantes hormonais, onde se pode destacar o hormônio do crescimento (GH). Este é produzido na hipófise anterior sobre controle hipotalâmico, através da ação estimulante do hormônio de liberação de GH e ação inibitória pela somatostatina. O GH desempenha um papel importante no metabolismo dos lipídeos, estimula a lipólise (quebra de gordura) e sua utilização como fonte de energia. Alem de agir no ganho de força, crescimento ósseo e síntese proteica. A principal ação do GH sobre o crescimento e anabolismo é considerada indireta, por meio do estimulo a síntese hepática (fígado) de IGF-1(Fator de Crescimento Semelhante à Insulina 1).

Os IGFs são fatores de promoção do crescimento com estrutura homóloga à insulina, encontrados na forma de IGF-1 e IGF-2. São produzidos principalmente no fígado e estão presentes na maioria das células, tecidos e órgãos, bem como seus receptores (IGF-1R e IGF-2R). Operam em conjunto com proteínas transportadoras e subunidades proteicas que promovem o aumento do seu tempo de vida na circulação ou mobilização para os tecidos.

Os IGFs possuem a capacidade de captar glicose no tecido adiposo e muscular, atuam no crescimento de todo corpo humano estimulando a formação proteica, diferenciação e multiplicação celular. Nesse contexto são essenciais no desenvolvimento intra-uterino, com destaque ao IGF2, em modificações da composição corporal reduzindo massa gorda e na hipertrofia muscular (IGF1). Esta ultima é propiciada pelo potencial dos IGFs em ativar células acopladas ao músculo responsáveis por regular seu crescimento e pela ativação da via de sinalização Akt/mTOR, peça chave da síntese proteica e consequente hipertrofia. Autores demonstram ação positiva do IGFs na redução de peso, massa gorda e aumento de massa magra em praticantes de atividade física programada.

Fatores como as concentrações de GH, estado nutricional, evolução do crescimento, atividade física e administração de alguns aminoácidos podem interferir na atuação dos IGFs. Desse modo alguns autores ressaltam a utilização da L-arginina pós exercício com intuito de aumento na secreção de GH e consequentemente IGF, resultando na alteração da composição corporal e hipertrofia.

“Este texto foi escrito por Silvia Andrade, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador)”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *