Sem categoria

Respostas hormonais e perturbação do sono

Descanso, inconsciência e ausência dos movimentos voluntários são características do estado do sono. Quando uma pessoa encontra-se dormindo, diminuições na taxa metabólica basal, de atividade cerebral, ocular e respiratória acontecem para que o sono de qualidade seja atingido. Em média, adultos devem dormir por 7 a 8 horas por noite, porém é sugerido um período de repouso maior para crianças e idosos.

 
O sono é dividido em dois estágios: o sono REM ( sigla do inglês que significa movimentos rápidos dos olhos) e o sono N-REM ( que seria em português a ausência dos movimentos rápidos dos olhos). Durante o sono REM o nosso corpo passa a sonhar, o que ocorre a cada 90 minutos em intervalos do sono N-REM. No sono não-REM a profundidade do sono é ainda mais intensa, elevando cada vez mais entre os quatro períodos do sono N-REM. Ainda nesta fase não há movimentos dos olhos e o relaxamento muscular é maior se comparado ao sono REM.

 
Durante a noite, alguns hormônios são liberados no momento em que estamos dormindo. Cortisol, grelina, leptina e o hormônio do crescimento (GH) são exemplos destas substâncias. É importante lembrar que o sono não é o período exclusivo de secreção destes hormônios, porém perturbações neste estado de repouso podem alterar os níveis de liberação e a saúde.

 
O GH é responsável por causar estímulo da síntese proteica e sua manutenção além de sintetizar proteínas da cartilagem e alterar os estoques de gordura. O GH é secretado em vários momentos do dia como após o exercício, porém durante o sono profundo é que ele atinge o máximo de liberação. O cortisol é um hormônio de característica catabólica, causando quebra das proteínas e gorduras, mas em excesso pode aumentar a síntese de novas moléculas de lipídio. Os momentos de estresse (exercício físico, provas, fuga) estão associados a elevação do cortisol e durante o sono um pouco antes de acordar, o cortisol é liberado para que sejamos acordados.

 
Outros dois hormônios são a grelina e a leptina, hormônios peptídicos que estão envolvidos com a sensação de fome e saciedade, respectivamente. Segundo estudos, se o sono regular for prejudicado as concentrações de leptina são diminuídas e as de grelina são aumentadas. Então, se repouso noturno sofrer intervenções, os hormônios relacionados ao consumo alimentar podem ser alterados, o que é capaz de levar a doenças como a obesidade.

 
Para a manutenção dos estágios REM e N-REM além da secreção ideal destes hormônios é preciso que o sono seja ininterrupto. Entretanto, perturbações no sono podem prejudicar o humor assim como planos alimentares que focam no emagrecimento e/ou hipertrofia. Desta forma, preservar o sono é bastante importante e junto a um(a) nutricionista, algumas estratégias podem ser montadas para garantir o sono de boa qualidade.

Este texto foi escrito por Osiyallê Akanni Rodrigues, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.