Sem categoria

Osteoporose em mulheres

A osteoporose é uma doença esquelética caracterizada por perda da densidade mineral óssea e deterioração da micro-arquitetura, é bastante frequente no envelhecimento e acomete principalmente mulheres após a menopausa, aumentando assim o risco de quedas e fraturas. Baixa ingestão de Cálcio e Vitamina D são alguns fatores que podem aumentar à suscetibilidade a doença e agravá-la.
A estrutura e resistência óssea dependem da sua composição mineral, principalmente de cálcio e fósforo, representando 99% do cálcio corporal e 80% do fósforo corporal total, e da atividade de suas células, principalmente dos osteoblastos e osteoclastos, os osteoclastos realizam reabsorção óssea, por meio de acidificação e ação de enzimas lisossomais, metaloproteinases e colagenases, degradando a massa óssea e liberando cálcio para o plasma, principalmente em resposta a níveis baixos de cálcio e consequente ação do paratormônio.
Diversos fatores também controlam a atividade dos osteoclastos, tais como estrogênio, osteoprotegerina, calcitocina e fator de crescimento tumoral β que inibem a atividades dos osteoclastos e interleucina‐1β (IL‐1β), interleucina 6 (IL‐6), fator de necrose tumoral (TNF), paratormônio e os glicocorticóides (presentes em alguns medicamentos) que agem aumentando atividade dos osteoclastos. Na menopausa ocorre diminuição de estrogênio e dos fatores que inibem ação dos osteoclastos e a expressão de citocinas que culminam em reabsorção óssea, caracterizando assim um grupo de risco.
A Vitamina D é um regulador da atividade ósteomineral, principalmente do metabolismo de cálcio; existem duas formas de Vitamina D, D2 (de origem vegetal) e D3 (origem animal), a vitamina D ainda pode ser obtida naturalmente na pele pela conversão do 7-dehidrocolesterol por meio da ação de raios ultravioletas após exposição ao sol. A vitamina D destas fontes é inativa e precisam sofrer ação de enzimas no fígado e rins para sua ativação. A produção e atividade da Vitamina D dependem da exposição solar, vestimenta, hábitos alimentares, composição corporal, cor da pele e determinantes genéticos, é importante ainda salientar que a obesidade favorece níveis baixos de vitamina D circulantes, pois o tecido adiposo é um reservatório de vitamina D.
A Vitamina D na forma ativa tem diversas ações no organismo e no metabolismo ósseo pode-se destacar a expressão de osteocalcina que está envolvida no processo de mineralização óssea e a expressão de proteínas no intestino que promovem melhor absorção de cálcio em aproximadamente 40%, colaborando assim para estabilização dos níveis de cálcio. Alguns suplementos alimentares consistem em uma composição de Vitaminas D e Vitamina K2, a segunda está envolvida como co-fator para produção da osteocalcina, sendo uma composição ideal para melhora da densidade mineral óssea, sendo um fator preventivo para Osteoporose e para diminuição da ocorrência de fraturas caso a doença já esteja estabelecida.

 

Este texto foi escrito por Ismael Oliveira, integrante da equipe de nutrição da SNC-Salvador, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail: nutricao@sncsalvador.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.