Sem categoria

Síndrome Fúngica

As bactérias e suas relações com diversas condições de saúde são cada vez mais elucidadas, no entanto, somente por volta dos últimos dez anos é que se tem entendido o conceito de microbioma humano como abrangente de todos os microorganismos habitantes do ambiemte intestinal (bactérias, fungos, arquéias e vírus).

Hoje, ouve-se falar em Síndrome Fúngica (SF), um conceito que se refere ao supercrescimento de fungos no intestino como resultado de uma disbiose (desequilíbrio da microbiota) intestinal, ao fermentar os alimentos para se desenvolver, os fungos liberam substâncias tóxicas e hipoglicemiantes que podem gerar uma grande diversidade de sintomas no organismo, além disso, ao se aderir ao epitélio intestinal, os fungos afetam a capacidade de absorção desse epitélio e aumentam a permeabilidade intestinal, aumentando o risco de infecções. Geralmente esse quadro é gerado a partir de comportamento alimentar inadequado e uso frequente de medicamentos. Dessa forma constitui-se um ciclo: a alimentação imprópria predispõe a uma doença, esta doença será tratada com o uso de medicamentos, estes por sua vez, prejudicarão a microbiota intestinal, o que favorecerá ao surgimento da próxima doença e assim o processo evolui, estabelecendo-se dessa forma a síndrome.

Estudos reportam uma relação de concorrência entre as bactérias e fungos no intestino. Alguns autores também suportam o conhecimento de que o uso de antibióticos favorece o aumento de fungos comensais da microbiota intestinal, em ratos. Nos seres humanos, o uso prolongado de antibióticos promove infecção fúngica e supercrescimento de fungos no intestino.

No trato gastrointestinal humano, a levedura Candida albicans, o fungo mais estudado como membro da microbiota intestinal, pode promover, por translocação, infecções sistêmicas. Os enterócitos do epitélio intestinal secretam uma grande quantidade e diversidade de muco, este possui uma importante função na limitação de C. albicans neste tecido. Essas leveduras secretam uma enzima capaz de degradar o muco no intestino (aspartil proteinase) o que contribui para a patogenicidade da levedura, facilitando sua penetração na mucosa e seguinte adesão e invasão nas células epiteliais.

A disbiose intestinal é a oportunidade perfeita para a Candida albicans se fazer notar. Ela está presente na disbiose fermentativa, que tem como uma das principais características a produção excessiva de gases. No entanto, a Candida pode desencadear uma série de consequências que dificilmente são atribuídas à sua presença logo de início, enxaqueca, dor abdominal, depressão, insônia e dificuldade de concentração estão entre elas. Ela pode atuar na barreira hematoencefálica, quando suas toxinas formam a bradicinina e esta, no cérebro, produz radicais livres, edemas e ainda a retenção de sódio, provocando assim a enxaqueca. Outro problema decorrente da Candida é a fadiga crônica, isto é, cansaço permanente, tristeza, desânimo, alterações de sono, baixa imunidade e dores musculares, e em alguns casos, febre baixa durante determinado período do dia. A fadiga crônica está bem relacionada ao nutriente preferido da Candida, os carboidratos, principalmente o açúcar refinado. Na presença de açúcar, o fungo tem seu crecimento aumentado e suas toxinas impedem a entrada de vitamina B6 no cérebro, dessa forma interfere a produção de substâncias importantes como a serotonina. Problemas endócrinos, como a tensão pré-menstrual, e hepáticos, principalmente em indivíduos que consomem muita proteína também são associados à presença desse microorganismo. Junto à esses nutrientes ocorre a formação de amônia através da Candida e se o sistema imune não estiver íntegro, essa substância pode prejudicar o fígado.

O tratamento da SF visa fortalecer o sistema imune e reestabelecer o equilíbrio da microbiota intestinal. Alguns estudos apontam para a importância da utilização de terapia prebiótica e probiótica na regulação da microbiota, no qual a diversidade bacteriana intestinal cresceu significativamente ao passo que a diversidade fúngica, principalmente os oportunistas e patogênicos foi reduzida. Ainda que até antibióticos sejam utilizados no combate à síndrome atualmente, se faz interessante a associação destes a altas doses de lactobacilos (probióticos), que possuem ação antagônica à Cândida, por exemplo, mas é importante salientar que esses casos merecem doses altas dessas bactérias para que possam enfrentar e coibir a ação do fungo. Este efeito promove a restauração da mucosa intestinal protetiva relacionada à microbiota.

A alimentação inadequada, isto é, rica em carboidratos refinados, aditivos alimentares, pobre em nutrientes, desencadeia ampla variedade de problemas de saúde. O nutricionista é o profissional preparado para prevenir e tratar doenças através da alimentação, procure sempre um profissional capacitado.

Este texto foi escrito por Thaíssa Silva, integrante da equipe de nutrição da SNC-Salvador, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail: nutricao@sncsalvador.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.