Sem categoria

Estratégias Nutricionais para o Ganho de Peso

Ganhar peso de forma saudável muitas vezes pode ser mais difícil do que perder. A manutenção do peso corporal ocorre através do equilíbrio entre o gasto energético (GE) e a ingestão calórica (IC). Se esse balanço energético for positivo, ou seja, IC maior que GE, ocorre o ganho de peso. Parece fácil, mas quem quer engordar, na maioria das vezes, tem dificuldades para ingerir uma quantidade maior de alimentos do que a habitual. Além disso, fatores como estresse, ansiedade, doença ou correria do dia a dia contribuem para a inapetência e pode gerar um balanço energético negativo.

Recorrer aos estimulantes de apetite é comum. Os mais utilizados são à base de Ciproeptadina ou Buclizina, anti-histamínicos que através de ações específicas bloqueiam os receptores de serotonina e desse modo aumentam o apetite, além de alterarem o estado de vigília gerando sonolência. Assim, o melhor é recorrer a estratégias nutricionais e utilizar esses medicamentos somente após orientação médica.

Alguns estudos relatam a influência da consistência do alimento na saciedade. O alimento sólido passa mais tempo exposto aos receptores orofaríngeos, os quais estão ligados ao controle da fome e da saciedade no hipotálamo. A mastigação induz maior saciedade e consequentemente menor ingestão alimentar, além de gerar aumento da expressão gênica das proteínas desacopladoras (UCPs). As UCPs geram mais calor e auxiliam na lipólise. Concluindo, assim, que alimentos líquidos como vitaminas e suplementos hipercalóricos são excelentes opções para dar início ao ganho de peso. Os hipercalóricos são suplementos ricos em carboidratos, e que também possuem proteínas, vitaminas e minerais. Ofertam cerca de 500 – 600 kcal, mas não devem ser substitutos de refeições, e sim, complementá-las. O modo mais indicado é ingerir a dose diária recomendada pelo fabricante de forma fracionada e durante os lanches.

Outra questão importante é a termogênese dos alimentos. A proteína é o macronutriente mais termogênico, ou seja, eleva o gasto energético mais que o carboidrato e o lipídio. A proteína deve ser consumida em todas as refeições, porém ao invés priorizar um suplemento hiperproteico, é mais interessante incluir um hipercalórico na dieta e aliar fontes saudáveis de gordura como o coco (e o óleo de coco), açaí, oleaginosas (castanha, amêndoas), pasta de amendoim, abacate e azeite de oliva.

A deficiência de zinco é relatada em alguns estudos como responsável pela perda da capacidade de perceber sabores e odores de alguns alimentos, principalmente os alimentos salgados. Esta deficiência pode ser a razão da inapetência em alguns indivíduos, inclusive crianças. A suplementação deste mineral ou a suplementação de um multivitamínico pode ser benéfica.

Ter os alimentos à disposição também é muito importante. Um plano alimentar que determina quais alimentos serão consumidos em cada refeição, e fazer as compras com antecedência, são formas de evitar pular as refeições ou ingerir alimentos que não auxiliam no ganho de peso saudável.

O nutricionista é o profissional capacitado para montar uma dieta que atenda às suas necessidades.

Bons ganhos!

Este texto foi escrito por Lorraine Brasil, integrante da equipe de nutrição da SNC-Salvador, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail: nutricao@sncsalvador.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador)

 

 

2 comentário

Rivas Queiroz 25 de dezembro de 2016 at 09:16

Logrando Brasil, parabéns pelo texto! Muito esclarecedor.
Uma dúvida: apesar de magro, ter cuidado com alimentação e vida super ativa, apresento hipercolestterolemia. Sei que o colesterol é de origem animal, no entanto, esses alimentos mencionados por você como fontes saudáveis de gordura, podem, de alguma forma, contribuir para o aumento de meu colesterol total, ou apenas o HDL?
Desde já agradeço.

Responder
Lorraine Lacerda 1 de janeiro de 2017 at 15:48

Olá, Rivas Queiroz! Obrigada pelo comentário.
Os alimentos mencionados não irão aumentar seus níveis de colesterol total. Por conterem fitosteróis eles podem auxiliar na melhora do quadro de hipercolesterolemia e ainda no perfil lipídico no geral, mas deve-se avaliar a origem da sua hipercolesterolemia e consumí-los com moderação.
Você pode ainda incluir a suplementação do Ômega 3 e do fitosterol. Para o controle da saúde e adequação dos alimentos e suplementos é importante o acompanhamento nutricional.
Feliz ano novo! 🙂

Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.