Sem categoria

Bioenergética e Exercício Físico

O corpo humano necessita de suprimento continuo de energia para realizar as várias funções do nosso organismo. O conjunto de reações que ocorrem dentro da célula para gerar energia é estudado pela bioenergética. A nossa célula é capaz de converter os nutrientes provenientes da alimentação numa forma de energia biologicamente utilizável (trifosfato de adenosina – ATP), de maneira contínua. Essa extração e conversão ocorrem através de reações de vias metabólicas de síntese (anabolismo) e degradação (catabolismo) de biomoléculas.
O ATP é uma molécula de alta energia produzida pelo organismo, presente em todas as células, que consiste em adenosina (adenina) unida a um nucleosídeo (ribose) e a três radicais fosfato (fósforo unido a oxigênio), conectados em cadeia, onde a energia é armazenada nas ligações entre os fosfatos. A quebra de uma molécula do grupo fosfato libera uma grande quantidade de energia, reduzindo o ATP a uma molécula de adenosina difosfato (ADP) e uma molécula de fosfato inorgânico (Pi). Essa reação ocorre por causa de uma enzima específica conhecida como adenosina trifosfatase (ATPase), com liberação de energia durante o processo de quebra da molécula original, o que gera a contração muscular e estímulos elétricos neurais que controlam os movimentos corporais e a regulação hormonal.
Durante o exercício, a demanda energética do músculo esquelético aumenta, consumindo uma quantidade maior de ATP, sendo este bem limitados e deve ser continuamente ressintetizado em relação a sua taxa de utilização. Existem três processos distintos e integrados que operam para satisfazer a demanda energética do músculo. O sistema anaeróbio que pode ser dividido em alático e lático e finalmente o sistema aeróbio.
O processo pelo qual a há liberação de energia para ressíntese de ATP, através da via anaeróbia alática, é a hidrólise da creatina-fosfato (PCr), uma molécula existente no músculo esquelético, que se constitui em uma creatina ligada a um radical fosfatídico de alta energia. A hidrólise da molécula libera energia, que é utilizada na contração muscular, não usa oxigênio e não se forma ácido lático. Esse sistema é utilizado em atividades que exigem altos índices de energia durante um breve período de tempo, por isso, ele é utilizado na produção de ATP em exercícios de alta intensidade e de curta duração. O sistema ATP-PCr pode proporcionar uma potência muscular máxima por um período aproximado de 8 a 10 segundos, o que é suficiente para um chute a gol, um lançamento longo, uma cobrança de falta ou lateral no futebol; uma corrida de 100m, um arremesso de peso ou martelo, um lançamento de dardo ou disco no atletismo; ou um golpe de judô, utilizando-se predominantemente da capacidade física chamada força explosiva ou força explosiva máxima.
O sistema lático ou glicólise anaeróbia refere-se à combustão parcial da glicose ou glicogênio. A quebra destas duas moléculas irá gerar ácido lático com a sua imediata conversão para lactato. A glicólise anaeróbia representa também um dos principais fornecedores de ATP durante atividades de alta intensidade e de curta duração (em média entre 120 a 300 segundos), como corridas de 400 e 800 metros, e provas de 50 e 100 metros na natação.
E finalmente, o sistema aeróbio que se refere à combustão completa dos carboidratos (glicose e glicogênio), gorduras e em alguns casos proteínas na presença do oxigênio (O2) na mitocôndria pelo processo do ciclo de Krebs e fosforilação oxidativa. O sistema oxidativo assegura mais de 80% do dispêndio energético nos esforços de duração superior a 300 segundos, como maratonas e triátlons
Cada sistema possui um fator limitante para fornecimento de energia. O sistema creatina-fosfato reflete a limitação das reservas musculares de PCr. O sistema glicolítico apresenta como principal fator limitativo a acidose celular que resulta da produção de íons de hidrogênio no meio quando há muito trabalho muscular, podendo induzir à fadiga. Além disso, utiliza apenas o carboidrato com fonte de extração energética. Quanto ao sistema oxidativo, os seus principais fatores limitativos são, por um lado, a capacidade de transporte de O2 até o metabolismo oxidativo nas mitocôndrias e grande quantidade de reações químicas, tornando- o um sistema mais lento.
É indispensável entender como os sistemas energéticos ocorrem de forma integrada para facilitar o planejamento do treinamento esportivo, assim como em momentos de competição. Os sistemas funcionam simultaneamente, embora ocorra predominância de algum sistema para determinado exercício físico. Isso depende de fatores como a intensidade e duração do esforço, quantidade de reservas disponíveis em cada sistema, as proporções entre os tipos de fibras e a presença de enzimas especificas. Entender como o corpo converte, armazena e utiliza a energia facilita a compreensão do funcionamento do gasto energético durante o exercício físico. Assim pode auxiliar na eficiência e o rendimento do atleta frente às repostas metabólicas desencadeadas pelo exercício físico e caso necessário a utilização de suplementação como, por exemplo, o uso de creatina exógena para melhorar a curto prazo, o desempenho do exercício explosivo garantindo os estoques de PCr. Na prática nutricional, o entendimento da bioenergética e dos suplementos convenientes para potencialização são essenciais para um bom planejamento e resultado.

Este texto foi escrito por Maiara Guimarães, integrante da equipe de nutrição da SNC-Salvador, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail: nutricao@sncsalvador.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).

2 comentário

Valberto miranda 15 de dezembro de 2017 at 09:21

Muito bom o texto. Riquíssimo em conteúdo e de fácil entendimento. Parabéns.

Responder
Jannine Dantas 15 de dezembro de 2017 at 12:32

Olá, Valberto!

Agradecemos pelo seu retorno e estamos a disposição para maiores esclarecimentos.

Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.