Sem categoria

Palatinose (Isomaltulose)

A isomaltulose, também conhecida comercialmente como palatinose (6-0-α-D-glicopiranosil-D-frutofuranose) é um isômero estrutural de sacarose (2-0-α-D-glicopiranosil-D-frutofuranose), um dissacarídeo redutor, encontrado naturalmente no mel e cana-de-açúcar, onde a glicose e a frutose estão ligadas através de uma ligação α -1,6-glicosídica.

Através de métodos biotecnológicos e enzimáticos é possível obter monossacarídeos, dissacarídeos, oligossacarídeos e polissacarídeos derivados da sacarose, de importância para a indústria de alimentos e farmacêutica. Uma das transformações possíveis consiste na conversão da sacarose em isomaltulose através do uso de glicosiltransferase microbiana. Ou seja, a isomaltulose é sintetizada pela conversão enzimática da sacarose por alterar a ligação glicosídica entre a glicose e a frutose de α1-4 para α1-6.

A isomaltulose possui um sabor adocicado suave e propriedades físicas e organolépticas muito similares às da sacarose.  Enquanto o seu poder edulcorante é cerca de metade da sacarose. Em geral, as propriedades físico-químicas da isomaltulose permitem a substituição da sacarose na maioria dos alimentos doces.

Embora a isomaltulose seja completamente digerível, a taxa de hidrólise intestinal da ligação glicosídica α 1-6 da isomaltulose é consideravelmente reduzida em comparação com a sacarose e tem sido relatada como sendo até 85% mais lenta. Consequentemente, a glicose e a frutose da digestão de isomaltulose são absorvidas lentamente, resultando num índice glicêmico de 32. Sendo a isomaltulose menos rápida, embora completamente clivada no intestino delgado do que a sacarose, o que gera uma resposta atenuada à glicose no sangue e à insulina, uma propriedade que pode ser particularmente favorável para os diabéticos.

Em contraste com a sacarose, a isomaltulose dificilmente é fermentada por micróbios ambientais ou orais, como demonstrado em vários estudos in vitro. Além disso, verificou-se que a isomaltulose inibe a formação de glucanos insolúveis produzidos pelos microrganismos causadores da cárie. Em vários modelos in vivo, a isomaltulose mostrou um potencial cariogênico reduzido em comparação com a sacarose. Os estudos de pHmetria,  padrão internacionalmente aceito para reivindicações amigáveis ​​aos dentes, confirmaram a não carcinogenicidade da isomaltulose. Assim, a isomaltulose seria um substituto de sacarose adequado sem potencial cariogênico. Devido ao baixo potencial cariogênico, a isomaltulose é utilizada comercialmente na produção de doces e gomas de mascar e é também empregada na produção de isomalte, um açúcar-álcool formado por quantidades equimolares de dois isômeros [α-D-glicopiranosil 1,6 manitol (GPM) + α-D-glicopiranosil 1, 6 sorbitol (GPS)], de baixo valor calórico, baixa cariogenicidade e baixa higroscopicidade, utilizado em produtos dietéticos e formulações farmacêuticas.

A utilização da palatinose (isomaltulose) sugere que este dissacarídeo é adequado para aplicação em dietas nutritivas que requerem absorção tardia de glicose para evitar rápido aumento nos níveis de glicose no sangue pós-prandial.  Além disso, alguns estudos discutem sua eficácia para a manutenção da glicemia durante o exercício físico que necessitam da suplementação de carboidratos. Segundo estudos, a palatinose mantém perfil mais estável de glicose no sangue, permitindo maior dependência da oxidação da gordura e poupança de glicogênio durante o exercício de resistência e aumento de performance no exercício.

Dessa maneira, a palatinose (isomaltulose) vem se destacando pelo seu baixo índice glicêmico devido sua absorção lenta, fornecimento da glicose de forma gradual, o que pode ser utilizado como alternativa de substituição à sacarose por indivíduos diabéticos, pode ser utilizado como suplementação de atletas para otimizar as reservas de glicogênio muscular e hepático, manter os níveis de glicose no sangue e compensar a redução das reservas endógenas de glicogênio durante o exercício. Além disso, devido ao baixo potencial cariogênico, a isomaltulose é utilizada comercialmente na produção de doces e gomas de mascar e no tratamento dentário.

Este texto foi escrito por Maiara Guimarães, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida, entre em contato conosco pelo e-mail nutrição@sncsalvador.com.br. Respeito nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).

2 comentário

Hávilla 6 de abril de 2017 at 11:16

Excelente!

Responder
Jannine Dantas 28 de abril de 2017 at 11:39

Olá, Hávilla

A equipe de Nutrição da SNC Salvador agradece pelo reconhecimento e esperamos ter contribuído com as informações aqui apresentadas. Estamos a disposição para maiores esclarecimentos.

Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.