Sem categoria

L-carnitina

Sintetizada endogenamente através de aminoácidos essenciais, lisina e metionina, a carnitina é uma amina quaternária (3-hidroxi-4-N-trimetilamino-butirato), atua essencialmente no metabolismo de lipídeos, trazendo como principal função o transporte dos ácidos graxos de cadeia longa (AGCL) do citoplasma para a matriz mitocondrial, onde são oxidados e utilizados como fonte de energia. Diferentemente dos ácidos graxos de cadeia média e curta, os AGCL não conseguem atravessar as membranas lipídicas sozinhos, necessitando então do transporte da carnitina.

Além da síntese endógena, a L-carnitina pode ser obtida por intermédio da alimentação ou da suplementação. Os alimentos cárneos e lácteos são as maiores fontes de carnitina, 100g de carne vermelha possui cerca de 95.3mg de carnitina. Enquanto que a L-carnitina suplementar pode ser encontrada em líquido ou em cápsula e as porções em geral ofertam 2g. Devido ao seu mecanismo de ação na β-oxidação dos lipídeos, a suplementação da L-carnitina tem sido utilizada como uma estratégia para o emagrecimento, no entanto, na literatura científica os dados obtidos são contraditórios ou pouco eficientes para tal objetivo. Porém, em algumas situações clínicas, como em mulheres com síndrome do ovário policístico (SOP), vegetarianos e em pessoas com sobrepeso e obesidade a suplementação de L-carnitina apresenta resultados eficazes e demonstram que pode ser relevante no processo de emagrecimento, principalmente por desempenhar importante função antioxidante, mitigando o quadro de estresse oxidativo e resistência insulínica comuns na população com sobrepeso, obesidade ou SOP, ou ainda sanando a deficiência de carnitina na dieta nos vegetarianos.

A L-carnitina pode desempenhar funções como: melhora do perfil lipídico e diminuição de esteatose hepática, devido a redução de radicais livres, fator que auxilia na minimização do dano mitocondrial; melhora a reparação das membranas celulares lesadas; e influencia na proteção cardiovascular. Além disso, a L-carnitina auxilia na normalização da sensibilidade à insulina dos pacientes diabéticos de tipo 2, controlando a síntese de enzimas chaves glicolíticas e gliconeogênicas, e participa do metabolismo de aminoácidos de cadeia ramificada, estabilizando as membranas celulares.

Como demonstrado, a L-carnitina desenvolve papeis fundamentais no funcionamento saudável do corpo, sendo assim, é importante destacar que públicos específicos podem ter redução ou até mesmo deficiência dos níveis de L-carnitina devido ingestão inadequada ou inabilidade de metabolizar a carnitina, são eles vegetarianos/veganos, portadores de doenças renais, cardiovasculares e síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), posto isto, tais públicos podem obter benefícios clínicos pertinentes com a suplementação da L-carnitina. Para verificar a possibilidade de utilização dessa estratégia para qualquer objetivo, consulte um Nutricionista.

“Este texto foi escrito por Jannine Dantas, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador)”.

2 comentário

Rafa Félix 24 de fevereiro de 2018 at 08:01

Parabéns. Muito bom.

Responder
Lara Cerqueira 4 de abril de 2018 at 16:16

Nossa equipe agradece o reconhecimento, Rafael Félix!
Ficamos felizes em saber que acompanha nossas produções.

Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.