Sem categoria

Prebióticos

O intestino possui ecossistema essencial para a absorção eficiente de nutrientes e manutenção da saúde em geral. A superfície intestinal humana acumula mais de 100 trilhões de microorganismos.

Alguns termos são importantes de serem entendidos. Probióticos são bactérias benéficas que vivem nesse ambiente. Prebióticos são ingredientes dos alimentos não digeríveis que produzem efeitos benéficos, estimulam a seletividade e o crescimento de um grupo limitado de bactérias boas.

Dentre todos os ingredientes alimentares, os carboidratos não-digeríveis (oligo e polissacarídeos) são os candidatos a serem prebióticos. Eles podem estar presentes em alimentos, como leite, mel, hortaliças, frutas, cereais, legumes e podem ser obtidos por métodos químicos e enzimáticos.

Esses carboidratos não digeríveis são classificados em dois grupos: as fibras e os prebióticos. As fibras depois de consumidas, chegam ao cólon e servem de substrato para os microorganismos, geram energia, aumentam o peristaltismo prevenindo constipação (são os polissacarídeos estruturais de plantas, como as pectinas, hemicelulose, gomas). Os prebióticos possuem todas as funções citadas na definição de fibras, mas sua principal diferença é estimular o crescimento de linhagens na microbiota intestinal, principalmente as bifidobactérias e os lactobacilos.

Para ser considerado um prebiótico, o alimento deve cumprir os seguintes requisitos:

(1) Não ser hidrolisado ou absorvido no trato gastrintestinal superior (esôfago, estômago e duodeno), além de ser resistente a acidez gástrica, a hidrólise de enzimas digestivas e não ser absorvido no intestino delgado; (2) Ser fermentado seletivamente por bactérias benéficas a microbiota intestinal; (3) Ser capaz de induzir efeitos fisiológicos benéficos a saúde.

Embora exista uma grande comercialização de carboidratos sendo considerados prebióticos, atualmente são estabelecidos apenas o frutooligossacarídeo (FOS) e a inulina, ambos derivados da frutose; além do galactooligossacarídeo (GOS), obtido a partir da lactose no soro do leite; a lactulosa, que é sintética, e os oligossacarídeos presentes no leite materno.  No mercado de suplementação, é comum encontrar o FOS e a Inulina.

Dentre os benefícios a saúde, o principal é a modulação intestinal, prevenindo cânceres e sendo utilizado na terapia de doenças crônicas do intestino, como a colite ulcerativa e a doença de Crohn. Previnem inflamações intestinais, devido ao bloqueio da adesão de patógenos, diarreias e favorecem a absorção de minerais. A inulina apresenta função na melhora do perfil lipídico, diminui concentrações de triglicérides e colesterol LDL. E o FOS apresenta resultados com melhora da resposta insulínica pós-prandial.

Existem ainda algumas fibras que vem sendo estudadas e consideradas prebióticos emergentes. Para saber se há necessidade da suplementação desses produtos, o ideal é uma consulta com um nutricionista

Este texto foi escrito por Caroline Lima, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.