Compulsividade alimentar e Triptofano

O L-triptofano é um aminoácido essencial e por isso, deve ser obtido pela dieta e/ou suplementação. É encontrado em fontes proteicas, nas quais em 1g, obtém-se em média 10 mg de triptofano. Os alimentos mais ricos neste aminoácido são ovos, frango, queijo, cacau, carne vermelha e a chia.

É responsável por diversas funções no metabolismo humano. Além de sua primordial função no crescimento celular e síntese proteica, regula também o sono, comportamento, fadiga e ingestão alimentar, além de ser precursor da vitamina B3 (niacina), de estimular secreção de insulina e hormônio do crescimento.

Por isso, pode ser metabolizado por três processos biossintéticos diferentes, são eles: a formação de derivados de quinurenina, a formação de serotonina e a biossíntese de proteínas. Para gerar a quinurenina, o triptofano é oxidado por clivagem a partir da enzima triptofano 2,3-dioxigenase (TDO) ou por IDO-1 e IDO-2. TDO é principalmente expressa no fígado e é estimulada pelos níveis de triptofano ou corticosteroides. Já a enzima IDO-1 é estimulada por várias citocinas inflamatórias, sendo mais característica o IFN-γ, expresso em diversas células, como macrófagos, microglia, neurônios e astrócitos, além de células epiteliais e fibroblastos.

No plasma, 10% do triptofano circulam livremente, enquanto os outros 90% estão ligados a uma proteína de transporte, geralmente a albumina. Já na barreira hematoencefálica, o triptofano livre compete com outros cinco aminoácidos para transporte e síntese de serotonina cerebral. Estes aminoácidos são a leucina, isoleucina e valina (BCAAs), além da tirosina e fenilalanina. Destes 5 aminoácidos, o triptofano é o que aparece em menor proporção.

A deficiência na ingestão de triptofano está relacionada com sobrepeso/obesidade e compulsividade alimentar. A baixa ingestão de triptofano somado a maior liberação de cortisol e citocinas inflamatórias resultam em maior expressão das enzimas responsáveis pela metabolização de triptofano em quinurenina, fazendo com que a produção de serotonina seja diminuída. Na tentativa de aumentar a produção de serotonina, o individuo procura alimentos com alto teor triptofano e baixo em BCAAs, como é o caso dos carboidratos, podendo gerar um quadro de hiperfagia e favorecer o acumulo de gordura corporal.

Para regular o eixo serotoninérgico é necessário mudança de hábitos. O exercício físico, aliado a uma refeição rica em triptofano pode fazer com que haja diminuição na competição entre o triptofano e outros aminoácidos, aumenta a dissociação do triptofano com a albumina, disponibiliza mais triptofano livre na corrente sanguínea e aumento da produção de serotonina, regulando a compulsividade alimentar. Para adequar este nutriente, busque um nutricionista.

“Este texto foi escrito por Marcelo Caldas, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador)”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 pensamentos em “Compulsividade alimentar e Triptofano”