Sem categoria

Melatonina

A melatonina é um hormônio produzido no sistema nervoso central e secretado pela glândula pineal, e por ser expressa no período da noite é considerada o hormônio do sono e regulador do ciclo circadiano. Os estudos com a melatonina só iniciaram no ano de 1958, quando foi descoberta pelo dermatologista Aaron Lerner. Após a descoberta, diversos estudos foram realizados para determinar sua capacidade de influenciar na saúde do ciclo da vida humana.

O metabolismo do triptofano é o principal sintetizador de melatonina. O triptofao quando transpassa a barreira hematoencefalica, é convertido em 5htp, posteriormente em 5ht (serotonina) e então em melatonina. Duas enzimas são essenciais para a produção de melatonina, são elas: serotonina-N-acetiltransferase (NAT) e a hidroxiindole-O-metiltransferase (HIOMT). A síntese de metalonina é iniciada pela ligação da norepinefrina aos receptores β-adrenérgicos, que irá ativar adenilatociclase, aumentando expressão do AMP cíclico (AMPc) e de novo síntese do NAT. O processo de produção de melatonina é dependente da disponibilidade de triptofano, por isso a baixa oferta deste aminoácido ou a metabolização em outras vias acabam prejudicando a produção de melatonina.

Por apresentar solubilidade tanto em gordura quanto em água, as substânciasdispõem de passagem facilitada através das membranas celulares, gerandouma alta eficiência metabólica. Suasecreção acontece no período noturno e sofre alteração de acordo com a estação do ano, localidade e adaptação individual, mas, geralmente o pico plasmático ocorre em torno de 03:00 a 04:00 da manhã, enquanto os níveis diurnos são indetectáveis. A produção eficiente de melatonina induz melhoras no sono, que consequentemente regulam outros hormônios como o cortisol, testosterona e hormônio do crescimento (GH).

No cérebro, esta é oxidada em N1-acetil-N2-formil-5-metoxiquinuramina (AFMK), sendo este composto produzido após a reação da melatonina com espécies reativas de oxigênio. AFMK apresenta uma capacidade antioxidante, já que, para ser produzido acabam ”eliminando” uma espécie reativa de oxigênio. Por esse processo de oxidação da melatonina e pelo AFMK apresentar capacidade antioxidante in vitro, a melatonina é considerada também uma substância antioxidante.

O fígado é responsável por 90% da metabolização da melatonina, em que a melatonina é inicialmente hidroxilada em 6-hidroximelatonina pelo citocromo CYP1A2. Uma vez que este citocromo é importante para o metabolismo de muitos medicamentos, a interação da melatonina com outros compostos pode alterar a biodisponibilidade deste hormônio. Por exemplo, a utilização de cafeína aumenta consideravelmente a biodisponibilidade de melatonina devido à inibição do metabolismo hepático e, por outro lado, o cigarro pode diminuir a ação da melatonina.

Por isso, a suplementação de melatonina parece ser uma alternativa excelente para melhorar sono e regular ciclo circadiano. A utilização de 3mg antes de dormir pode ser uma estratégia para indivíduos que possuem problemas relacionados ao sono, para que tenham uma noite mais relaxante e reparadora e sem induzir uma desregulação no relógio biológico.

“Este texto foi escrito por Marcelo Caldas, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador)”.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.