Sem categoria

Peptídeos de colágeno e estética

“Saúde por dentro, beleza por fora”. Por trás dessa máxima, existem os nutricosméticos, isto é, suplementos voltados para fins estéticos, seja para melhora da elasticidade e firmeza da pele, ou maior força para unhas e cabelos. Enfim, contribuem com a auto-estima e participam como adjuvante nas condutas anti-envelhecimento. O colágeno é um dos nutricosméticos mais conhecidos e utilizados, principalmente por mulheres.

O colágeno é uma proteína de origem animal, cuja função no organismo é contribuir com a integridade estrutural dos tecidos em que está presente. Ele é encontrado nos tecidos conjuntivos do corpo, tais como os ossos, tendões, cartilagens, veias, pele, dentes, bem como nos músculos e na camada córnea dos olhos. Porém, com o início da fase adulta, a deficiência de colágeno começa a ser notada, pois o organismo diminui sua produção. Neste contexto, a sua suplementação se mostra bastante promissora.

Segundo Arnt e Beraldo (2011), fisiologicamente, o organismo humano reduz a produção de colágeno depois da adolescência, chegando a diminuir em proporção correspondente a 1% ao ano a partir dos 30 anos. Aos 50 anos podemos ter apenas 35% do colágeno necessário para regenerar a pele, os ossos, os discos intervertebrais, os músculos, os tendões, as cartilagens, as articulações, ou seja, todos os órgãos e tecidos de sustentação do corpo.

Como o colágeno é uma proteína grande, a indústria utiliza o processo de hidrólise, isto é, um tipo de “quebra” em moléculas menores. A hidrólise específica e complexa em múltiplos passos dá origem a peptídeos de colágeno biologicamente ativos, que comprovadamente estimulam o metabolismo dérmico e têm efeitos positivos nas propriedades da pele.

Embora geralmente se acredite que os produtos derivados de colágeno são hidrolisados em aminoácidos no trato gastrointestinal antes de serem absorvidos pelo sistema de circulação sanguínea, há evidências consideráveis mostrando que os peptídeos podem ser absorvidos intactos.

Portanto, tais peptídeos ingeridos por via oral são capazes de atravessar a barreira intestinal e entrar no sistema de circulação sanguínea, de onde são transportados para a pele ou dentro do tecido conjuntivo alvo.

Isso ocorre pois temos um transportador específico de di e tripeptídeos, isto é, conjuntos de dois ou três aminoácidos. Este transportador chama-se PEPT1. Assim, os peptídeos de colágeno, após sua absorção, irão realizar suas funções reparadoras.

Atualmente, a indústria dispõe de tecnologia para comercializar peptídeos de colágeno sob patentes específicas. Para adequar doses, momento de uso e estratégias complementares, procure um nutricionista.

Este texto foi escrito por Bárbara Oliveira Alves, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br.

Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).

Posts relacionados

Ciclo menstrual X Rendimento

Mariane Mascarenhas

Whey Protein e lactação

Thaissa

Suplementação no autismo

Lais Vieira

2 comentário

Janaina Vieira 3 de setembro de 2018 at 22:54

Poderiam disponibilizar os artigos?

Responder
Lara Cerqueira 5 de setembro de 2018 at 09:33

Olá, Janaina.
Enviamos para seu e-mail o material solicitado.
Excelente leitura!

Responder

Deixe um comentário