Sem categoria

Estratégias nutricionais para tratamento de Asma

A Asma é uma doença pulmonar inflamatória crônica muito prevalente no mundo e está associada a constrição das vias aéreas, inflamação, hiperresponsividade brônquica, bem como sintomas respiratórios como tosse, chiado, dispnéia e dor torácica. O consumo de determinados grupos alimentares e de alguns suplementos são cruciais para o tratamento desta enfermidade.

A asma é desencadeada por fatores genéticos e ambientais como exposição a fumaça de cigarro, exposição a alérgenos, pólen, ácaros, poluição do ar, sprays químicos, uso de antibióticos e pelas práticas alimentares.

A alimentação é um fator de risco modificável, estudos mostram maior suscetibilidade ao desenvolvimento de doenças alérgicas em indivíduos com baixo consumo de frutas e hortaliças, além disso, o baixo consumo destes pode exacerbar sintomas de asma por aumentar o estresse oxidativo resultante da atividade crônica das células inflamatórias das vias aéreas. As vitaminas e compostos bioativos das frutas e hortaliças atenuam o estresse oxidativo e são cruciais para a melhora dos sintomas. A vitamina C, por exemplo, é um importante antioxidante no fluido de revestimento respiratório extracelular que protege as células do sistema imunológico do estresse oxidativo, contribui para o crescimento e desenvolvimento do pulmão e reduz a hiperreatividade das vias aéreas, fatores determinantes da função pulmonar na infância e no adulto.

Nas frutas, especialmente as de cor avermelhada, existem elevadas concentrações de licopeno, um caretonóide que age na redução do estresse oxidativo e atenua as manifestações da Asma, como a hipersecrecão de muco. O licopeno pode ser encontrado em tomate, melancia, morango, goiaba, mamão, damasco, toranja, etc.

Dentre os suplementos que podem ser ofertados, um dos mais relevantes é a Glutamina, nutriente que participa de vários processos celulares, incluindo energia e formação de nucleotídeos, homeostase redox, equilíbrio ácido-base e metabolismo da glicose. Como a maioria dos tecidos pode sintetizar a glutamina, ela não é considerada um aminoácido essencial. No entanto, tem sido hipotetizado que durante o estresse catabólico, a glutamina pode se tornar condicionalmente essencial, por exemplo, em doenças de caráter inflamatório como a Asma. A glutamina inibe a enzima foslipase A2, uma enzima envolvida no processo inflamatório, ademais diminui células envolvidas na exacerbação da resposta inflamatória como neutrófilos e eosinófilos, culminando em melhora nos sintomas.

Por fim, a suplementação de vitamina D é bastante promissora, pois age diretamente sobre o sistema imunológico promovendo diminuição de células envolvidas na resposta alérgica, como os linfócitos Th2. Doses diárias de até 2000 UI trazem resultados como redução de consultas em emergências, diminuição de exacerbações da asma (infecção respiratória aguda e ataques de asma), diminuição de gravidade da asma e melhora da função pulmonar.

Para o estabelecimento de condutas apropriadas para o tratamento da Asma, procure os profissionais habilitados e lembre-se de adotar hábitos alimentares adequados e saudáveis.

 

“Este texto foi escrito por Ismael Oliveira , baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador)”.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.