Health Nutritions Suplementos

Pré-Carga Metabólica: Uso terapêutico da Whey Protein

Utilizar whey protein no pós-treinamento é uma prática bem conhecida do grande público. O rico perfil de aminoácidos, com destaque para o alto teor de leucina, somado à rápida digestão e absorção desta proteína, explicam a eficácia desta estratégia em otimizar a recuperação. Contudo, whey é um suplemento altamente versátil e consumi-lo apenas no pós-exercício é subutilizar um produto com um potencial terapêutico gigantesco.

Whey protein é insulinotrópico

O seu consumo estimula a liberação de insulina pelo pâncreas mais que qualquer outra fonte proteica, de forma dose dependente e sem nenhuma relação com a ingestão de carboidratos, o que pode ser uma alternativa interessante para controlar a hiperglicemia comum em indivíduos diabéticos,  pré-diabéticos e obesos.

Whey protein estimula agudamente a secreção de hormônios secretados durante o processo digestivo

Dentre eles o peptídeo YY (PYY), a colecistocinina (CCK), peptídeo inibidor gástrico/peptídeo insulinotrópico dependente de glicose (GIP) e peptídeo semelhante ao glucagon 1 (GLP-1). GIP e GLP-1 potencializam a secreção de insulina, já PYY e CCK estão diretamente relacionados com a sensação de saciedade.

Whey inibe dipeptidilpeptidase-4 (DDP-4)

Enzima responsável por degradar as incretinas GIP e GLP-1; esta inibição amplifica a atuação destes hormônios sobre a secreção da insulina; além disso whey reduz a secreção de grelina, “hormônio da fome”, aumentando a sensação de abastamento.

 

Pensando nestes mecanismos, a estratégia de Pré-Carga Metabólica funciona da seguinte maneira:

(clique na imagem para ampliar)

  1. Consumo de whey protein de 30 a 60min antes de uma refeição (almoço ou jantar, por exemplo);

  2. Ação insulinotrópica. Quanto maior a dose, maior a secreção de insulina;

  3. A inibição da DDP-4 ampliará a resposta insulínica por aumentar o tempo de ação das incretinas GLP-1 e GIP;

  4. A liberação de insulina sem o concomitante consumo de carboidratos fará com que a glicose circulante seja mais facilmente captada pelas células, reduzindo assim a glicemia de forma substancial;

  5. A ação prolongada crônica de GIP e GLP-1 induz ao aumento da massa das células beta pancreáticas e maior produção de pró-insulina, otimizando a resposta insulínica das refeições seguintes;

  6. A liberação de hormônios PYY, CCK e inibição de grelina induzem a sensação de saciedade, o que reduzirá a fome e aumentará o controle alimentar na refeição seguinte;

Os objetivos principais da estratégia são a redução da glicemia indução da saciedade precoce antes de uma grande refeição. Ela pode ser utilizada como coadjuvante no tratamento do diabetes, obesidade, melhora da sensibilidade à insulina, emagrecimento e compulsão alimentar. Mas antes disso, consulte o seu nutricionista para ajustar doses e verificar a viabilidade da conduta para o seu caso.

Este texto foi escrito por
Gabriel GDOCbaseado em artigos científicos.
Todo o material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido.

 

O que achou?

Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br.
Por favor, respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos, mencione o nome do autor e do site.

Vem com a gente

Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).

Posts relacionados

O que pode e o que não pode para alcançar o corpo do Verão?

Gabriel GDOC

Whey Protein e envelhecimento: um poderoso aliado

Gabriel GDOC

Quanto mais antioxidantes, melhor?

Gabriel GDOC

Deixe um comentário