Sem categoria

Adoçantes: Artificiais x Naturais

O sabor doce dos alimentos e a capacidade do ser humano de distinguir os tipos de sabores existentes, representou um fator importante para sua sobrevivência em tempos remotos. Pois, em uma época onde caçar animais era algo que demandava muita energia e mais riscos, se alimentar de vegetais era uma opção mais viável.

Os alimentos que possuiam um sabor adocicado representavam fontes que forneciam energia para o homem pré-histórico, enquanto aqueles que apresentavam um sabor amargo ou minimamente desagradável, atribuiam-se a alimentos com potencial tóxico.

A Era dos Adoçantes

Os adoçantes artificiais surgiram com o intuito de substituir o açúcar adicionado aos alimentos para reduzir seu valor calórico, assim como os malefícios associados com o elevado consumo de açúcar refinado (obesidade, diabetes e cárie dentária, por exemplo). Contudo, alguns estudos acerca desses produtos relatam que existem efeitos adversos com o uso à longo prazo. O ciclamato, o acessulfame-K, a sacarina, a sucralose e o aspartame, todos eles até hoje são alvos de críticas por serem artificiais

O que a literatura científica traz é que o uso abusivo de adoçantes artificiais traria uma influência negativa na microbiota intestinal, no controle glicêmico e na saciedade do indivíduo. Contudo, muitos desses estudos experimentais são feitos em animais com doses altas dessas substâncias. Assim, o que pode-se afirmar é que o uso acima do limite da ingestão ideal possivelmente pode causar algum efeito prejudicial

Ingestão Adequada (IA) dos Adoçantes Artificiais

  • Sacarina – 3,5mg/kg
  • Ciclamato – 11mg/kg
  • Sucralose – 15mg/kg
  • Acessulfame de potássio – 15mg/kg
  • Aspartame – 50mg/kg (estabelecido nos EUA) e 40mg/kg (estabelecido na EUR)

Adoçantes Naturais

Os adoçantes naturais mais comuns no mercado atualmente são a estévia e o xilitol, industrialmente já são utilizados em balas, goma de mascar e outros tipos de doces, como forma de reduzir o índice de cáries em crianças principalmente. Pois, esses adoçantes não são fermentáveis pelo Streptoccocus mutans (bactéria responsável pela cárie), por conta disso, o pH bucal não se torna ácido e não ocorre a desmineralização do dente.

Tanto o xilitol quanto a estévia são considerados substâncias absolutamente seguras, ausentes de qualquer potencial tóxico, por isso recebem a classificação de GRAS (Generally Recognized As Safe), o que traz um reconhecimento mundial de que são substâncias de fato seguras. Essa é a grande vantagem dos adoçantes naturais, não há dúvidas nem suspeitas de algum tipo de efeito adverso, e trazem todos os benefícios que um adoçante precisa oferecer.

Sem terrorismo! O segredo é bom senso.

Esse assunto é grande alvo de polêmicas, há quem defenda o uso de adoçantes em geral, ou apenas a utilização dos naturais e ainda existem aqueles que não defende o uso de nenhum tipo de adoçante. Estudos recentes afirmam que o uso de adoçantes artificiais dentro dos limites da IA não trazem malefícios. O consumidor neste caso precisa estar atento quanto a presença e as quantidades dos adoçantes que estão nos produtos consumidos diariamente, além do uso direto desses agentes adoçantes.

Com relação aos adoçantes naturais, sim, são uma alternativa realmente mais interessante, mas sua acessibilidade também é limitada devido ao seu custo mais elevado.

Portanto, é possível extrair benefícios desses produtos caso exista um equilíbrio no seu consumo. Na dúvida, consulte-se com um nutricionista, desta forma, você será melhor orientado nutricionalmente nesse contexto.

“Este texto foi escrito por BRYAN STOLZE, integrante da equipe de nutrição da SNC-Salvador, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail: nutricao@sncsalvador.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).”

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.