Suplementação para quem usa Anticoncepcional

Atualmente existem vários métodos contraceptivos no mercado, sendo o contraceptivo hormonal combinado oral o método mais utilizado e eficaz, se utilizado de maneira correta. O uso pode apresentar benefícios, além da contracepção, como o tratamento da dismenorréia (dor uterina por volta do período menstrual), acne, tensão pré-menstrual (TPM), cistos ovarianos, endometriose, dentre outros. Por outro lado, estes mesmos contraceptivos podem apresentar efeitos adversos como: aumento na pressão arterial, tromboembolismo, eventos cardiovasculares, dores de cabeça e alterações no desejo sexual e libido. Outro efeito indesejável da pílula anticoncepcional, é que ele aumenta a proteína carreadora de hormônios sexuais, chamado de SHBG. O aumento inapropriado do SHBG leva a diminuição da testosterona livre na mulher.

Estudos científicos recentes sobre ervas medicinais referem o Tribulus terrestris como uma erva eficaz para o sexo feminino. Novas descobertas mostram que o Tribulus pode ser eficaz na melhoria do desejo sexual das mulheres, assim como o giseng, erva tradicionalmente usada como um tônico para ajudar o corpo a lidar com o estresse, que possui também efeito de relaxamento que modula a relação entre o óxido nitroso e o músculo liso cavernoso, aumentando assim o desejo sexual. A suplementação de COQ10 e vitaminas essenciais (como vitamina E e vitamina C) também tem se mostrado peça fundamental na manutenção dos níveis de antioxidantes, visto que estudos revelam que as mulheres que usam anticoncepcionais hormonais têm, de modo significativo, níveis mais baixos de vitaminas e antioxidantes em comparação com mulheres que não usam esse tipo de droga.

Existem algumas mulheres que tem aumento de chance de desenvolver trombose ou que já tiveram e assim possuem restrições a certos contraceptivos, isso porque todos os contraceptivos combinados (pílulas, adesivo, anel vaginal, injeção mensal), ou seja, que contém 2 tipos de hormônios femininos, o estrogênio e progesterona, aumentam o risco de desenvolver a doença. Nesses casos, a suplementação de L-Arginina têm se mostrado interessante, por ser precursora de NO (óxido nítrico), preservando a função endotelial após a trombólise, podendo também reduzir a probabilidade de síndrome pós-trombótica. Além disso, algumas mulheres podem apresentar cefaleia (dores de cabeça) com o uso contínuo das pilulas anticoncepcionais, ainda não se sabe o motivo pelo qual a pílula piora a dor, mas estudos demonstram que isso acontece. E para isso, a eficácia da suplementação de magnésio, riboflavina, Q10 e vitamina D foi comprovada como tratamento profilático, onde a duração da enxaqueca foi relatada estatisticamente significativamente menor assim como a intensidade e frequência.

A literatura disponível sugere que o tratamento com anticoncepcionais são eficazes no alívio da dismenorreia relacionada à endometriose. E para auxiliar nisso, estudos tem trazido bons resultados com uma diieta com 5% ou 10% de óleo de peixe, para redução das lesões de endometriose. Na medicina ayurvedica, a cúrcuma é indicada no tratamento de endometriose. E recentemente, a literatura científica mostrou que a cúrcuma possui tais efeitos. Atualmente, diversos estudos mostram que a administração de NAC em mulheres com SOP melhora o perfil hormonal e o tratamento da infertilidade anovulatória (dificuldade para ovular) em pacientes com hiperinsulinemia, que são resistentes ao citrato de clomifeno – (droga indutora da ovulação) (Nemati et al, 2017); melhora o oócito (futuro óvulo) e embrião, podendo ser uma alternativa ao uso da metiformina (Cheragui et al , 2016). Em mulheres com SOP, a carência de vitamina D parece piorar a resistência à insulina, modificando a produção e utilização de diversos outros exames e favorecendo ainda mais o surgimento de diabetes tipo 2. Daí a importância da suplementação.

Por tudo isso, o conhecimento sobre os anticoncepcionais e seus posteriores efeitos é de fundamental importância para a melhor indicação de qual suplemento indicar. O profissional deve ter em mente o papel de sua participação na escolha do método, e o melhor método será aquele que a paciente utilizar de forma regular, acertada e segura.

Este texto foi escrito por Amanda Carneiro, integrante da equipe de Nutrição da SNC – Salvador, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail: nutricao@sncsalvador.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *