Cúrcuma na imunidade

Também conhecida como açafrão indiano, a cúrcuma longa é uma especiaria com mais de dois séculos de existência, pertencente à família Zengiberaceae (assim como o gengibre) nativa do sudeste da Ásia e da Índia. A curcumina é o principal composto ativo da cúrcuma, responsável pelo pigmento amarelo e por ser a principal substância bioativa da classe.

Diversos estudos têm demonstrado a eficácia da curmina na prevenção de tratamento de diversas doenças em humanos, como câncer, doenças cardiovasculares, inflamatórias, neurológicas, metabólicas e de pele. Além disso, a curcumina também é conhecida pela sua atividade imunomoduladora, isto é, pela sua capacidade de modular processos envolvidos no sistema imunológico, auxiliando assim na imunidade.

O primeiro mecanismo pelo qual a curcumina pode auxiliar na imunidade é através da diminuição do estresse oxidativo, diminuindo a formação das espécies reativas de oxigênio e de marcadores de estresse oxidativo, como o malondialdeído (MDA). Além disso, a curcumina também estimula a produção de enzimas antioxidantes, como a superóxido dismutase (SOD) e a glutationa peroxidase (GSH-Px).

A curcumina também possui a capacidade de modular a resposta inflamatória através da diminuição de citocinas pró-inflamatórias, como o  fator de necrose tumoral-α (TNF-α), interleucina-1β (IL-1β) e interleucina-6 (IL-6). Em contrapartida, a curcumina também possui a capacidade de estimular a produção de citocinas anti-inflamatórias, como a interleucina-10 (IL-10) e o fator de crescimento transformador beta (TGF- β).

Um outro mecanismo imunomodulador da curcumina está relacionado com a sua interação com as células do sistema imunológico, como linfócitos e macrófagos. Além disso, a curcumina induz respostas imunes por meio da modulação de moléculas imunes, como imunoglobulinas G (IgG), imunoglobulinas M (IgM) e a imunoglobulina A secretora (sIgA).

Com isso, a cúrcuma torna-se uma importante aliada para as pessoas que buscam reforçar o sistema imunológico, sendo eficiente também para diminuir o estresse oxidativo e diminuir processos inflamatórios.

Este texto foi escrito por Emanuel Borges, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mailnutrição@sncsalvador.com.br

Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos, mencione o nome do autor e do site, por favor.

Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *